Síntese de Indicadores Sociais - SIS

Menu do Produto

Sobre - 2020

Uma análise das condições de vida da população brasileira

2020

Esta publicação reúne informações sobre as condições de vida da população brasileira, acompanhadas de comentários que destacam, em cada uma das dimensões temáticas de análise, algumas das principais características observadas nos diferentes estratos populacionais. A exemplo das últimas edições, seus indicadores ilustram a heterogeneidade da sociedade sob a perspectiva das desigualdades sociais, com foco em três recortes primordiais.

O primeiro recorte, Estrutura econômica e mercado de trabalho, relaciona a dinâmica desse mercado com o comportamento da economia brasileira entre 2012 e 2019, ressaltando suas desigualdades estruturais, sobretudo aquelas evidenciadas pelo desemprego e a informalidade incidentes nos grupos populacionais considerados mais vulneráveis - pretos ou pardos, mulheres e jovens.  Aspectos relacionados à desocupação, à subutilização da força de trabalho e ao trabalho intermitente, entre outros, são ressaltados como forma de qualificar as características estruturais do mercado de trabalho brasileiro.  O segundo recorte, Padrão de vida e distribuição de renda, aborda as desigualdades a partir de indicadores de distribuição de rendimento, acesso a bens e serviços relacionados a condições de moradia, e pobreza monetária. Dispondo de uma série que abarca o período de 2012 a 2019, o capítulo reúne importantes indicadores para mensuração da desigualdade de renda, tais como o índice de Gini, o índice de Palma e razões de rendimentos, e apresenta os resultados segundo diferentes metodologias de cálculo da pobreza. O terceiro recorte, por fim, trata da Educação, tomando como parâmetros as metas e estratégias adotadas pelo Plano Nacional da Educação - PNE. Para tal, são utilizadas estatísticas sobre frequência escolar, distribuição da população nas redes pública e privada de ensino, nível de instrução e analfabetismo, com ênfase nas desigualdades entre os grupos populacionais, contemplando, especialmente, o ano de 2019. O capítulo contém, ainda, análises centradas na juventude, sobretudo nos jovens que não estudam.

A publicação é fartamente ilustrada com tabelas e gráficos para diferentes desagregações territoriais. Esse conjunto de informações também está disponibilizado no portal do IBGE na Internet, com tabelas que incluem os indicadores presentes no volume impresso, além de outros, adicionais, com seus respectivos coeficientes de variação.

A principal fonte de informação para a implementação dessas análises é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua, realizada pelo IBGE. Complementarmente, outras estatísticas do Instituto são também aplicadas, como as do Sistema de Contas Nacionais - SCN, além de registros do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - Caged, do Ministério da Economia. Indicadores disponibilizados pela Organização das Nações Unidas - ONU e pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico - OCDE proporcionam comparações entre países.

A sistematização desses indicadores atende a recomendações internacionais e contribui para a compreensão das modificações nos perfis demográfico, social e econômico da população, possibilitando, assim, o monitoramento de políticas sociais e a disseminação de informações relevantes para toda a sociedade brasileira.