Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

Áreas Urbanizadas

O que é

Disponibiliza uma representação espacial do fenômeno urbano, obtida a partir da interpretação de imagens de satélites, com os objetivos de retratar e mensurar, por meio do mapeamento, sua distribuição e expansão.

O estudo teve início em 2005, com o mapeamento das manchas urbanizadas nas Concentrações Urbanas (Arranjos Populacionais ou Municípios Isolados com população acima de 100 000 habitantes), a partir da interpretação de imagens do Satélite CBERS-2B, para o período de  2005 a 2007, com resolução espacial de 20 m. Posteriormente, até a publicação dos resultados com ano de referência de 2015, ocorreram grandes avanços operacionais, e a utilização de imagens dos Satélites RapidEye, com resolução espacial de 5 m,  para o período de 2011 a 2014, permitiu um maior detalhamento das feições zonais, o que tornou imprópria a comparação das informações resultantes, em termos de áreas, entre ambos os estudos. A edição de 2019 trouxe, também, avanços metodológicos, relacionados, principalmente, à maior disponibilidade do insumo de imagens de sensoriamento remoto, o que possibilitou o mapeamento de todos os Municípios do Território Nacional para um único ano civil, fruto de contínuas mudanças das geotecnologias para o imageamento da superfície terrestre. Assim sendo, foram utilizados como insumos-base as imagens provenientes do Satélite Sentinel-2/MSI (somente no ano de 2019), e, como referência para a identificação da evolução do fenômeno urbano, as áreas mapeadas na edição de 2015 com vistas à comparação temporal. Como essa última edição traz novas classes de mapeamento em sua concepção e utiliza insumos de imagem diferentes para interpretação, é importante ressaltar que há ressalvas e procedimentos específicos na comparabilidade desses dados.

Com base na modelagem geográfica do fenômeno urbano que categoriza as feições mapeadas segundo uma construção conceitual explícita, foram implementados avanços na observação das transformações das formas urbanas. Em 2005, as áreas urbanizadas foram classificadas como muito densas, densas ou pouco densas. Em 2015, optou-se por manter a divisão apenas entre áreas urbanizadas densas e pouco densas e investigou-se a presença de outros equipamentos urbanos e de vazios intraturbanos contidos nessas áreas, quando presentes. Em 2019, foram mapeadas as áreas urbanizadas classificadas segundo sua densidade (densas ou pouco densas) e também os loteamentos vazios. Os outros equipamentos urbanos e os vazios intraurbanos continuaram a ser identificados dentro das áreas urbanizadas, e buscou-se, também, identificar os vazios intraurbanos remanescentes, a partir das áreas de 2015 que eram vazios intraurbanos e tiveram parte de sua área ocupada por edificações. Para orientar os usuários no que diz respeito à comparabilidade dos dados, nas bases de dados geoespaciais da edição de 2019, são destacadas as áreas comparáveis com o mapeamento do ano de referência de 2015, indicando-se para tal as ocorrências de adição ou subtração de áreas urbanizadas, densificação, desdensificação, ou, ainda, a não alteração. 

A periocidade do estudo é eventual. Sua abrangência geográfica é nacional, abarcando todos os Municípios.