Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação - IPP

Menu do Produto

O que é

O Índice de Preços ao Produtor - IPP, cujo âmbito são as indústrias extrativas e de transformação, tem como principal objetivo mensurar a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, bem como sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no País. Constitui, assim, um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e, por conseguinte, um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

O IPP investiga, em pouco mais de 1 400 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes e definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Os produtos coletados são especificados em detalhe (aspectos físicos e de transação), garantindo, assim, que sejam comparados produtos homogêneos ao longo do tempo. Com isso, coletam-se cerca de 5 000 preços mensalmente.

A divulgação das séries do IPP é condensada em três comparações básicas, além do número-índice (com base em dezembro de 2013), quais sejam: M/M-1 (mês contra mês anterior); acumulado no ano (mês contra dezembro do ano anterior); e M/M-12 (mês contra mesmo mês do ano anterior). Adotando a Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE 2.0, o IPP gera indicadores para 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação, além de reorganizar os mesmos dados em grandes categorias econômicas, abertas em bens de capital, cens intermediários e bens de consumo (duráveis e semi e não-duráveis).

Sobre - Fevereiro 2019

Nenhum conteúdo disponível para exibição

Principais resultados - Fevereiro 2019

#tabelasidra20193292434521


O IBGE adota uma política de revisão de dados divulgados desta operação estatística. Por revisão de dados entende-se toda e qualquer revisão programada de dados numéricos, em que são disponibilizadas novas informações que não estavam acessíveis quando da primeira divulgação, tais como: um dado tardio que substitui uma não resposta; ou um dado corrigido pelo próprio informante; ou um conjunto de dados que foi submetido a processo de crítica e imputação. Para informações mais detalhadas sobre a política de revisão de dados divulgados das operações estatísticas do IBGE,  consultar a relação das pesquisas conjunturais, estruturais e especiais realizadas pelo Instituto, com o respectivo procedimento de revisão adotado, no endereço: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=298009.

Tabelas - Fevereiro 2019

Tabelas

Índices de Preços ao Produtor, segundo as seções e atividades de indústria (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as seções e atividades de indústria - Influência (p.p) e Ponderação (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as grandes categorias econômicas - Influência (p.p) e Ponderação (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as seções e atividades de indústrias - Variação M/M-1 (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as seções e atividades de indústrias - Acumulado no ano (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as seções e atividades de indústrias - Variação M/M-12 (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as seções e atividades de indústrias - Número-Índice (Dezembro de 2013 = 100) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as grandes categorias econômicas - Variação M/M-1 (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as grandes categorias econômicas - Acumulado no ano (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as grandes categorias econômicas - Variação M/M-12 (%) (xls | pdf)

Índices de Preços ao Produtor, segundo as grandes categorias econômicas - Número-Índice (Dezembro de 2013 = 100) (xls | pdf)


O IBGE adota uma política de revisão de dados divulgados desta operação estatística. Por revisão de dados entende-se toda e qualquer revisão programada de dados numéricos, em que são disponibilizadas novas informações que não estavam acessíveis quando da primeira divulgação, tais como: um dado tardio que substitui uma não resposta; ou um dado corrigido pelo próprio informante; ou um conjunto de dados que foi submetido a processo de crítica e imputação. Para informações mais detalhadas sobre a política de revisão de dados divulgados das operações estatísticas do IBGE,  consultar a relação das pesquisas conjunturais, estruturais e especiais realizadas pelo Instituto, com o respectivo procedimento de revisão adotado, no endereço: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=298009.

Quadros sintéticos - Fevereiro 2019

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Microdados - Fevereiro 2019

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Informações técnicas

    Notas Técnicas

    Notas Metodológicas

    Metodologia da Pesquisa

    Lista de Produtos Selecionados

    • Lista de Produtos GCE - Dezembro 2018: PDF | XLS
    • Lista de Produtos IE IT - Dezembro 2018: PDF | XLS
    • Lista de Produtos GCE - Dezembro 2013: PDF | XLS - atualizado em 25/09/2015 às 14:00 horas (onde se lê: 1533.6010 = 1531.2010, leia-se 1533.6010 = 1533.2010)
    • Lista de Produtos IE IT - Dezembro 2013: PDF | XLS - atualizado em 25/09/2015 às 14:00 horas (onde se lê: 1533.6010 = 1531.2010, leia-se 1533.6010 = 1533.2010)

    Séries históricas

    #seriehistorica20178417114800

    #seriehistorica20178417014690

    #seriehistorica20178417357414

    Microdados

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Portaria de precedência

    Divulgação dos resultados de indicadores conjunturais

     

    Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
    GABINETE DO MINISTRO
    PORTARIA Nº 355, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007
    (Publicada no Diário Oficial da União nº 213, Seção 1, de 06.11.2007)

     

    O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II, do artigo 87 da Constituição Federal, resolve:

    Art. 1º - A divulgação dos resultados de indicadores conjunturais produzidos pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE seguirá as seguintes etapas:

    I - às sete horas do dia da divulgação serão encaminhados os resultados, acompanhados de um sumário-executivo elaborado pelo IBGE, para as autoridades da lista de precedência;

    II - às nove horas do dia da divulgação serão encaminhados os resultados para os órgãos de imprensa e disseminados na Internet, através do sítio https://www.ibge.gov.br.

    § 1º. Os técnicos do IBGE estarão disponíveis para prestar esclarecimentos aos usuários sobre os resultados da pesquisa divulgada a partir do encaminhamento de que trata o inciso II do caput.

    § 2º. O disposto nesta portaria aplica-se a qualquer indicador conjuntural produzido pelo IBGE, especialmente aos seguintes:

    I - Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC);

    II - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA);

    III - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - Especial (IPCA-E);

    IV - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15);

    V - Pesquisa Mensal de Emprego (PME);

    VI - Contas Nacionais Trimestrais;

    VII - Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Brasil (PIM-PF Brasil);

    VIII - Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional (PIM-PF Regional);

    IX - Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário - (PIMES);

    X - Pesquisa Mensal de Comércio (PMC);

    XI - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI);

    XII - Conjuntura Agropecuária (Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - mensal; Pesquisa Trimestral de Abate de Animais; Pesquisa Trimestral de Leite; Pesquisa Trimestral de Produção de Ovos de Galinha; Pesquisa Trimestral do Couro).

    Art. 2° - A relação das autoridades constantes da lista de precedência específica a cada pesquisa de indicadores conjunturais, será divulgada por intermédio de Nota Oficial da Instituição e disseminada no portal do IBGE na Internet, através do sítio https://www.ibge.gov.br

    Art. 3º - As autoridades constantes da lista de precedência deverão observar o mais rigoroso sigilo das informações referentes aos indicadores de que trata esta Portaria, nos termos do disposto na Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

    Art. 4º - Revogam-se as Portarias nº 164/MP, de 20 de dezembro de 1999, e nº 167/MP, de 5 de setembro de 2003.

    Art. 5º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

     

    PAULO BERNARDO SILVA 


     O IBGE divulga a relação das autoridades que recebem com precedência os resultados das pesquisas conjunturais produzidas por esta Instituição: 

    Ministro de Estado da Economia - Paulo Roberto Nunes Guedes

    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - Especial (IPCA-E)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15)
    • Contas Nacionais Trimestrais
    • Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Brasil (PIM-PF Brasil)
    • Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional (PIM-PF Regional)
    • Pesquisa Mensal de Comércio (PMC)
    • Pesquisa Mensal de Serviços (PMS)
    • Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI)
    • Conjuntura Agropecuária
      • Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - mensal
      • Pesquisa Trimestral de Abate de Animais
      • Pesquisa Trimestral de Leite
      • Pesquisa Trimestral de Produção de Ovos de Galinha
      • Pesquisa Trimestral do Couro
    • Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação (IPP)
    • Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua)

     

    Ministro de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Tereza Cristina

    • Conjuntura Agropecuária
      • Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - mensal
      • Pesquisa Trimestral de Abate de Animais
      • Pesquisa Trimestral de Leite
      • Pesquisa Trimestral de Produção de Ovos de Galinha
      • Pesquisa Trimestral do Couro
    • Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua)

     

    Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República - Onyx Lorenzoni

    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - Especial (IPCA-E)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15)
    • Contas Nacionais Trimestrais
    • Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Brasil (PIM-PF Brasil)
    • Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional (PIM-PF Regional)
    • Pesquisa Mensal de Comércio (PMC)
    • Pesquisa Mensal de Serviços (PMS)
    • Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI)
    • Conjuntura Agropecuária
      • Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - mensal
      • Pesquisa Trimestral de Abate de Animais
      • Pesquisa Trimestral de Leite
      • Pesquisa Trimestral de Produção de Ovos de Galinha
      • Pesquisa Trimestral do Couro
    • Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação (IPP)
    • Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua)

     

    Presidente do Banco Central - Roberto de Oliveira Campos Neto

    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - Especial (IPCA-E)
    • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15)
    • Contas Nacionais Trimestrais
    • Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Brasil (PIM-PF Brasil)
    • Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional (PIM-PF Regional)
    • Pesquisa Mensal de Comércio (PMC)
    • Pesquisa Mensal de Serviços (PMS)
    • Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI)
    • Conjuntura Agropecuária
      • Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - mensal
      • Pesquisa Trimestral de Abate de Animais
      • Pesquisa Trimestral de Leite
      • Pesquisa Trimestral de Produção de Ovos de Galinha
      • Pesquisa Trimestral do Couro
    • Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação (IPP)
    • Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua)

     

    Presidente da Caixa Econômica Federal - Pedro Guimarães

      Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI)

     

    Ministro de Estado do Turismo - Marcelo Álvaro Antônio

    • Pesquisa Mensal de Serviços (PMS)

     

    Susana Cordeiro Guerra
    Presidente do IBGE
    Atualizado em 11 de março de 2019

      

    Divulgação dos resultados de indicadores estruturais

     

    Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
    GABINETE DO MINISTRO
    PORTARIA Nº 15, DE 27 DE JANEIRO DE 2005
    (Publicada no Diário Oficial da União edição número 20 de 28/01/2005)

     

    O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, INTERINO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos I e II, da Constituição e considerando o disposto no art. 27, inciso XVII, alínea "c", da Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, resolve:

    Art. 1º - Disciplinar os procedimentos a serem observados na divulgação dos resultados de indicadores estruturais produzidos pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

    Art. 2º Os resultados serão encaminhados pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE ao Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, com antecedência mínima de quarenta e oito horas do horário fixado no art. 3º, inciso I, desta Portaria.

    Art. 3º No dia da divulgação dos resultados dos indicadores de que trata esta Portaria, serão observados:

    I - liberação para a imprensa e disponibilização pela Internet, no endereço: (https://www.ibge.gov.br), às 10 horas;

    II - os técnicos do IBGE somente poderão prestar esclarecimentos sobre os resultados dos indicadores estruturais após a liberação e publicação na forma do inciso I.

    Art. 4º Os servidores que tenham conhecimento prévio dos resultados deverão manter rigoroso sigilo, sob pena de responsabilidade nos termos da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

    Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

     

    NELSON MACHADO

     

     

    Downloads

    Conceitos e métodos - Fevereiro 2019

    As informações a seguir descrevem os metadados estatísticos, que são o conjunto de conceitos, métodos e aspectos relacionados às estatísticas, e são informações necessárias para compreender as características e a qualidade das estatísticas e interpretá-las corretamente.

    Informações Gerais

    Objetivo
    Tem como principal objetivo mensurar a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, bem como sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no País. Constitui, assim, um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e, por conseguinte, um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.
    Tipo de operação estatística
    Pesquisa de preços e custos
    Tipo de dados
    Dados de pesquisa por amostragem não probabilística
    Periodicidade de divulgação
    Mensal
    População-alvo
    Formada pelo conjunto de empresas formalmente constituídas (inscritas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - CNPJ, do Ministério da Fazenda), atuantes nas atividades das indústrias extrativas e de transformação de acordo com a CNAE 2.0, sediadas no Território Nacional e que estejam ativas no Cadastro Central de Empresas - CEMPRE do IBGE. Não foram consideradas as atividades de Fabricação de produtos diversos e de Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos.

    Metodologia

    Os indicadores de preços ao produtor das Indústrias Extrativas e de Transformação são calculados a partir de uma pesquisa específica feita às empresas industriais. O painel selecionado consta de 416 produtos e cerca de 2.000 empresas, que respondem por aproximadamente 67% da receita líquida de vendas de produtos e serviços industriais. Os pesos atribuídos a produtos, empresas e atividades estão baseados nas pesquisas anuais de indústria de 2016. Todavia, para seleção de produtos e empresas foram utilizadas as pesquisas em 2014. A partir desses 416 produtos, a especificação de preços levou a um número de produtos IPP da ordem de 6.000, o que, na prática, é o número de preços (cotações) acompanhados mensalmente.

    Os dados da pesquisa são divulgados seguindo a estrutura da segunda versão da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE 2.0, ou seja, há um resultado para o conjunto das indústrias extrativas e de transformação, um para o total das indústrias extrativas, um para o das indústrias de transformação e 23 resultados para as atividades que compõem as indústrias de transformação. Em outra perspectiva, os dados são rearranjados conforme a estrutura da Classificação por Grandes Categorias Econômicas — CGCE, ou seja, os produtos são considerados ou como bens de capital ou bens intermediários ou, por fim, bens de consumo (abrindo-os em duráveis e semi e não-duráveis).

    As especificidades dos produtos que são acompanhados são negociadas com as empresas a partir de uma descrição geral. Esse detalhamento exige um protocolo que permita registrar claramente a negociação feita entre o IBGE e a empresa por intermédio de um questionário. Todavia, como o painel é composto de 416 produtos (genéricos), no mínimo são necessários 416 tipos de questionários distintos para a especificação, inviabilizando a tiragem em papel. Por isso, há um sistema que permite criar, digitalmente, os questionários à medida que se inclui um setor e seus produtos no painel. Esses questionários ficam disponíveis para consulta do informante. Para a especificação dos produtos, é fundamental defini-los em parceria com o informante.

    Os produtos coletados são especificados em detalhe (aspectos físicos e de transação), garantindo assim que sejam comparados produtos homogêneos ao longo do tempo. Mudanças de qualidade devem ser identificadas e tratadas como tal, não podendo, portanto, sinalizar aumento ou diminuição de preços. Em síntese: uma observação de preço é definida como o preço de um produto especificado, num determinado momento do tempo, e todos os seus termos de venda, incluindo-se os descontos e ofertas especiais.

    De acordo com as recomendações internacionais, o IPP estabeleceu como meta levantar os preços efetivamente praticados. Na prática, isso exclui preço de lista: referência para uma negociação inicial, porém não mais do que uma referência, pois os preços efetivamente praticados vão depender de uma série de fatores, que se estendem desde a fidelidade do cliente, o tamanho da compra, a forma de pagamento até o prazo de entrega. Como a definição dos produtos segue um padrão definido pelo questionário de especificação, nele estarão registradas todas as características da transação que será informada ao IBGE.

    As recomendações internacionais indicam várias alternativas de levantamento de preço. Pode-se, por exemplo, optar por coletar o preço de uma transação ocorrida num determinado dia do mês, por exemplo o dia 15 (ou o primeiro dia útil próximo dele, ou ainda, como fazem os Estados Unidos, o preço da terça-feira da semana do dia 15). Na prática brasileira, uma grande parte das empresas tem dificuldade de resgatar essa informação em seus bancos de dados.

    Após a especificação, o produto entra em processo de levantamento periódico de preços. Há um sistema de coleta da informação, que pode ser consultado na Internet, no Portal do IPP. O sistema permite que, além das informações de preço, a empresa também possa informar mudanças cadastrais, entre elas a interrupção de uma linha de produção ou a mudança de qualidade em um determinado produto, e mudanças estruturais. O sistema é protegido por medida de segurança de padrão internacional, a mesma utilizada pelos bancos e pelo comércio eletrônico.
    Utiliza-se o índice de Jevons para o cálculo dos níveis elementares do cálculo, ou seja, toma-se uma média geométrica dos relativos dos preços dos produtos IPP. Nos níveis agregados, a fórmula de cálculo adotada é uma adaptação de Laspeyres - base fixa em cadeia. Para cada empresa, produto e atividade foram considerados seus pesos relativos. Em termos de divulgação são calculadas variações a partir do número-índice. Os mais usuais são os seguintes:

    · Mês contra mês anterior (M / M-1): compara o número-índice do mês de referência (M) contra o do mês imediatamente anterior (M-1);
    · Mês contra igual mês do ano anterior (M / M-12): compara o número-índice do mês de referência (M) contra o do igual mês do ano anterior (M-12); e
    · Acumulado no Ano: compara o número-índice do mês de referência (M) contra o de dezembro do ano anterior.

    Os dados de preço do IPP são revisáveis. A revisão, necessariamente pequena, visa a incorporar as séries que, excepcionalmente, não estavam disponíveis no momento do cálculo. Os dados divulgados referentes aos meses do ano t são sujeitos a alterações a cada divulgação mensal. A última revisão se dá quando da divulgação das informações referentes ao mês de dezembro do ano t+1.
    Técnica de coleta:
    PAPI - Entrevista pessoal com questionário em papel, CASI - Questionário eletrônico autopreenchido
    Procedimento de amostragem
    O painel de produtos e informantes do IPP é definido com base no método de amostragem intencional. Para tanto, são necessárias informações estruturais abrangentes, no caso, as pesquisas industriais anuais de empresa (PIA-Empresa) e de produto (PIA-Produto).
    A primeira base de dados utilizada no desenho da pesquisa é a PIA-Empresa, que permite a identificação das características estruturais da atividade industrial brasileira, segundo a receita líquida de vendas industriais, a partir da qual define-se o sistema de ponderação da pesquisa. Quando são utilizadas as informações da PIA Empresa e as da PIA Produto, como se explicará a seguir, seleciona-se o painel de produtos e informantes.
    A receita líquida de vendas industriais informada na PIA-Produto é menor do que a da PIA-Empresa, isto porque, a PIA Produto é respondida pelas empresas que formam o estrato certo da PIA Empresa (empresas que têm pelo menos 30 pessoas empregadas), não sendo de seu âmbito as empresas menores. Em termos aproximados, a PIA-Produto alcança 90% do valor das vendas levantadas pela pesquisa de empresa.
    O primeiro passo para trabalhar com as bases de dados foi distribuir, por atividade, o valor total da receita líquida de vendas industriais da PIA-Empresa entre os produtos da PIA-Produto. Com isso, por um lado, deduz-se o padrão de ponderação dos produtos agregados e, por outro, pode-se promover a seleção dos produtos e empresas que fazem parte do IPP. Essa seleção segue uma série de critérios, a começar por aquele que define que o painel do IPP esteja contido no da Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF). A razão disso tem a ver com a diretriz de aproximar o mais possível a pesquisa de produção física e a de preço, tornando-as comparáveis ao longo do tempo, e com isso aumentando as possibilidades analíticas da conjuntura econômica.
    Ainda no caso dos produtos, outros critérios utilizados para a escolha dos produtos foram: i) garantir 70% de cobertura por atividade; ii) garantir 80% de cobertura por grandes categorias econômicas; e iii) garantir a presença dos 200 principais produtos, em termos de valor de venda. Além desses, também foram consideradas as sugestões da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE e das associações de classes, mediante análise do grupo IPP.
    A seleção de informantes é feita depois de selecionados os produtos, e o critério básico dessa seleção foi garantir a presença das unidades locais daquelas empresas cujas vendas respondessem por pelo menos 65% das vendas dos produtos selecionados.
    A seleção original de produtos e informantes do IPP foi feita baseada na versão 2.0 da CNAE, levando em conta que a divulgação, no caso das indústrias extrativas, se dá apenas no nível da seção; e, no caso das indústrias extrativas, se dá na abertura dos dois dígitos (não considerando as divisões 32, Fabricação de Produtos Diversos, e 33, Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos), sendo que, na divisão 20, Fabricação de Produtos Químicos, são consideradas duas aberturas, 20B (que é a própria 20.6), Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal, e 20C, Outros Produtos Químicos.

    Temas

    Temas e subtemas
    Indústrias extrativas, Preços e custos, Estatísticas econômicas setoriais, Indústrias de transformação, Estatísticas macroeconômicas
    Principais variáveis
    Tomando como referência a Lista de Produtos Selecionados (LPS), o IPP investiga, mês a mês, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes e definidos segundo as práticas comerciais mais usuais da empresa.

    Unidades de informação

    Unidade de investigação
    Unidade local
    Unidade de análise
    Não se aplica
    Unidade informante
    Não se aplica.

    Períodos de referência

    Mês - 01/02/2019 a 28/02/2019
    Data de início da coleta
    01/03/2019
    Data do fim da coleta
    18/03/2019

    Disseminação

    Formas de disseminação
    Banco de Dados Agregados - SIDRA, Publicação Digital (online)
    Nível de desagregação geográfica
    Nacional
    Nível de divulgação
    Brasil. São divulgados o índice geral, as sessões (extrativas e de transformação) e pelas 24 atividades (2 dígitos), além das grandes categorias econômicas (bens de capital, bens intermediários e bens de consumo - duráveis e semiduráveis e não duráveis) nos formatos abaixo: * M/M-1 * Acumulado no ano * Número-Índice * Influência M/M-1 (em pontos percentuais) e Contribuição * Produtos de maior influência na comparação M/M-1

    Instrumentos de coleta

    Histórico

    O IBGE divulga as séries do Índice de Preços ao Produtor — Indústrias Extrativas e de Transformação (IPP – Indústrias Extrativas e de Transformação) desde de dezembro de 2009 (para as Indústrias de Transformação) e dezembro de 2013 (para as Indústrias Extrativas, a Indústria Geral e por Grandes Categorias Econômicas), tendo como base as pesquisas anuais de empresa e produto de 2007.
    Em dezembro de 2018, passaram a ser divulgadas as mesmas séries anteriores a partir de uma nova amostra de produtos e informantes, atualizando, assim, a estrutura industrial, que passou a refletir aquela apontada pelas pesquisas anuais de 2016.

    Antecedentes

    Entre 1982 e 1985, o IBGE, sob a supervisão da atual Coordenação de Índices de Preços, planejou e executou um projeto piloto na área de índice de preços ao produtor, tendo como âmbito a indústria. Apesar de apoiar-se em metodologia condizente com as melhores práticas internacionais, num momento em que ainda não havia um marco claro, como é hoje o Manual IPP/FMI, a descontinuação do projeto justificou-se pelos baixos níveis de respostas.

    No início dos anos 2000, o projeto de um índice de preços ao produtor voltou a ser discutido no IBGE, levando em conta necessidades prementes de uma informação desse tipo tanto para o próprio Instituto (uso nas Contas Nacionais e no deflacionamento das pesquisas anuais primárias), como também para os agentes econômicos privados (acompanhamento da evolução do preço do próprio setor ou de setores fornecedores ou clientes) e públicos (particularmente o Banco Central, responsável por assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda).

    No projeto atual, a responsabilidade ficou por conta da Coordenação de Indústria (COIND). Essa mudança teve por base o fato de a pesquisa ser tipicamente direcionada às empresas e, num primeiro instante, às industriais. O IPP, na sua concepção ideal, cobre todos os setores: agricultura, indústria e serviços. O objetivo é, a partir da consolidação do projeto nas indústrias de transformação, estender o alcance da pesquisa para estes outros setores.

    O projeto foi desenvolvido de forma paulatina. Num primeiro momento, foram definidas as linhas básicas de atuação e, a partir do final de 2003, organizou-se uma equipe exclusiva. A partir daí, além da definição das estratégias gerais, mantiveram-se contatos tanto com instituições similares (do Chile, em particular) como com o FMI, que, no âmbito das Nações Unidas, passou a coordenar a preparação do Manual IPP/FMI, lançado em setembro de 2005. Estas aproximações traduziram-se em consultorias internacionais feitas ao longo do tempo.

    Estratégia de definição de produtos

    O projeto IPP pode ser visto em duas etapas distintas e conectadas. Na primeira, é feita a especificação dos produtos, ou seja, cada um dos produtos é descrito de forma a tornar apto o levantamento posterior de seus preços. Na segunda, os preços, acordados na primeira etapa, passam a ser pesquisados mensalmente. A partir dele, calculam-se os índices, que são, efetivamente, as informações que serão divulgadas. A especificação recebeu atenção especial no projeto atual. Descrever detalhadamente os produtos garante que as alterações de preço sejam puras, não se confundindo com mudanças na qualidade ou na forma da transação. As especificações devem ser entendidas como uma negociação firmada entre o IBGE e a empresa. Qualquer mudança requer uma comunicação entre as partes.

    A especificação passou a ser uma etapa muito bem definida e estruturada no novo projeto, cumprindo o objetivo de definir exatamente o produto, mas também o de registrar a negociação entre o instituto e as empresas. A forma encontrada de cumprir os dois objetivos foi a criação de questionários de especificação. Nisso, o IBGE se aliou às melhores práticas internacionais, propondo, inclusive, alternativas de solução das situações relacionadas à especificação. Na prática, cada produto tem suas características próprias. Como então o IBGE poderia definir cada uma delas?

    Isoladamente, seria impossível. Mesmo com o recurso da pesquisa na internet, não haveria como definir para todos os produtos do IPP (no início mais de 300, e, na nova amostra, mais de 400) aqueles fatores que influenciam o preço. Diante dessa questão, a equipe à frente da pesquisa traçou uma estratégia. Antes de pensar em levantar os preços, definiram-se os questionários de especificação. Para tal, buscou-se a ajuda das associações de classes ou dos sindicatos patronais. A ideia é simples, as associações têm conhecimento suficiente do setor para dizer os elementos que têm impacto na definição dos preços. Se nos primórdios da pesquisa essa estratégia funcionou, de novo foi repetida. E, novamente como da primeira vez, houve momentos que a discussão sobre a especificação se deu diretamente com as empresas. As associações, nesse sentido, passaram a ser um elemento de articulação entre o IBGE e as empresas.


    Novidades
    As séries já existentes continuam a ser divulgadas, fazendo-se o encadeamento da série, ou seja, as séries das Indústrias de Transformação continuam com início em dezembro de 2009 e as demais, em dezembro de 2013. A única diferença é que os números-índices (que passam a ser divulgados com cinco casas decimais) usam como base dezembro de 2018.
    Por outro lado, a amostra do IPP foi aumentada. Nesta nova fase, são 416 produtos que compõem a Lista de Produtos Selecionados, mais ou menos 30% a mais do que a amostra anterior. Com isso, o número de empresas também aumentou (passou de 1400 para 2070). O objetivo desse aumento foi o de divulgar novas séries, em níveis mais desagregados. A apresentação dessas novas séries (que terão início em dezembro de 2018) ocorrerá ainda em 2019.

    Saiba mais

    https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/IR

    Calendário

    Próximas divulgações

    Operação estatísticaPrevisão de divulgação
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 3/2019
    30/04/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 4/2019
    29/05/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 5/2019
    03/07/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 6/2019
    31/07/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 7/2019
    29/08/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 8/2019
    25/09/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 9/2019
    05/11/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 10/2019
    29/11/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 11/2019
    08/01/2020
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 12/2019
    31/01/2020

    Divulgações anteriores

    Operação estatísticaData da divulgação
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 2/2019
    16/04/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 1/2019
    27/02/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 12/2018 a 12/2018
    30/01/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 11/2018 a 11/2018
    04/01/2019
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 10/2018 a 10/2018
    28/11/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 9/2018 a 9/2018
    26/10/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 8/2018 a 8/2018
    27/09/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 7/2018 a 7/2018
    29/08/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 6/2018 a 6/2018
    01/08/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 5/2018 a 5/2018
    03/07/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 4/2018 a 4/2018
    29/05/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 3/2018 a 3/2018
    26/04/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 2/2018 a 2/2018
    29/03/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 1/2018 a 1/2018
    02/03/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 12/2017 a 12/2017
    30/01/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 11/2017 a 11/2017
    04/01/2018
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 10/2017
    29/11/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 9/2017
    26/10/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 8/2017
    27/09/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 7/2017
    29/08/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 6/2017
    27/07/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 5/2017
    28/06/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 4/2017
    26/05/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 3/2017
    27/04/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 2/2017
    28/03/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 1/2017
    07/03/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 12/2016
    31/01/2017
    Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação
    Período de referência: 11/2016
    06/01/2017

    Publicações - Fevereiro 2019

    Notícias e releases

    Ver mais notícias

    Material de apoio

    Nenhum material de apoio cadastrado para esse item

    Erramos

    • Atraso na liberação no SIDRA dos dados do IPP de Janeiro de 2019

      Data de publicação: 27/02/2019 01:02

      Descrição:
      Devido a um problema no envio dos dados da pesquisa para o SIDRA, foi ocasionado um atraso na divulgação de dados neste canal, referentes ao Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação (IPP) de Janeiro de 2019.
      Ações: O problema foi resolvido e os dados foram liberados em seguida (27/02/2019).

    • Atraso na liberação no SIDRA dos dados do IPP

      Data de publicação: 04/01/2019 12:01

      Descrição:
      Devido a um problema no calendário usado no processo de liberação de pesquisas conjunturais no SIDRA, foi ocasionado um atraso na divulgação de dados referentes ao Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação (IPP), além de indisponibilidade de outras informações no portal do IBGE.
      Ações: O problema foi resolvido e os dados foram liberados às 10h08min de hoje (04/01/2019).

    • Informações do IPP de janeiro de 2018 no SIDRA

      Data de publicação: 02/03/2018 05:03

      Descrição: Devido a problemas operacionais, o SIDRA não foi carregado com as informações do IPP de janeiro de 2018 às 9h. A carga foi feita às 10h15min.

      Ações: As informações foram carregadas no SIDRA às 10h15min.

    • Substituição das tabelas em formato xls e pdf e do caderno do IPP de julho de 2017

      Data de publicação: 29/08/2017 12:08

      Descrição:  Ao incluir os arquivos com os dados do IPP de julho de 2017 e o caderno da divulgação, houve um erro e os arquivos incluídos foram os de maio de 2017.

      Ações: Tão logo detectado o problema, os arquivos corretos foram reenviados e substituídos no portal do IBGE, dez minutos após a divulgação inicial.

    • Substituição da Lista de Produtos Selecionados do IPP divulgadas em 25/09/2015

      Data de publicação: 25/09/2015 05:09

      Descrição: Na lista de produtos IPP onde se lê: 1533.6010 = 1531.2010, leia-se 1533.6010 = 1533.2010.

      Ações: Os arquivos foram corrigidos e substituídos e uma observação de atualização foi incluída na página de acesso aos arquivos.