Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor

Conceitos e métodos - Junho 2021

As informações a seguir descrevem os metadados estatísticos, que são o conjunto de conceitos, métodos e aspectos relacionados às estatísticas, e são informações necessárias para compreender as características e a qualidade das estatísticas e interpretá-las corretamente.

Informações Gerais

Objetivo
O INPC tem por objetivo a correção do poder de compra dos salários, através da mensuração das variações de preços da cesta de consumo da população assalariada com mais baixo rendimento. Esta faixa de renda foi criada com o objetivo de garantir uma cobertura populacional de 50% das famílias cuja pessoa de referência é assalariada e pertencente às áreas urbanas de cobertura do SNIPC - Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor.
Tipo de operação estatística
Pesquisa de preços e custos
Tipo de dados
Dados de pesquisa por amostragem não probabilística
Periodicidade de divulgação
Mensal
População-alvo
Até 2011 a população alvo do INPC foi representada pelas famílias cuja pessoa de referência é assalariada e residentes em áreas urbanas com rendimento familiar monetário compreendido entre 1 e 6 salários mínimos mensais. Esta faixa de renda foi criada com o objetivo de garantir uma cobertura populacional de 50% das famílias com menores rendimentos. A partir da POF 2008-2009 foram analisadas as distribuições dos rendimentos familiares disponíveis destinados ao consumo, derivadas desta POF, sendo mantidos os critérios adotados para a delimitação das populações-alvo dos índices. O primeiro deles constitui-se na cobertura populacional. Para o INPC garante-se a cobertura de pelo menos 50% das famílias cuja pessoa de referência é assalariada e residente nas áreas urbanas cobertas pelo Sistema Nacional de Índices ao Consumidor - SNIPC. O segundo critério é a estabilidade das estruturas de consumo, que requer a exclusão das famílias com rendimentos inferiores a um salário mínimo, além daquelas com rendimentos considerados excessivamente altos. Aplicados esses critérios foram obtidas as Populações-Objetivo, ressaltando-se que na data de referência das despesas e rendimentos da POF, ou seja, em janeiro de 2018, o valor nominal do salário mínimo era de R$ 954,00 (novecentos e cinquenta e quatro reais). Com isso, o limite superior da faixa de rendimentos referente à população do INPC passa de 6 para 5 salários mínimos.

Metodologia

De maneira geral, o escopo metodológico do INPC abrange os seguintes temas: montagem da estrutura geral de pesos; definição das bases cadastrais de produtos e locais; coleta de preços e método de cálculo.

As estruturas de ponderadores são montadas utilizando-se uma organização de códigos em grupamentos logicamente estabelecidos de forma que ficam juntas as categorias de consumo de mesma natureza, hierarquicamente estruturadas em grupos, subgrupos, itens e subitens. Estes últimos representam o nível mais desagregado para o qual se obtêm os pesos utilizados no cálculo dos índices de preços. Estes ponderadores retratam o grau de importância ou representatividade dos subitens pertencentes à cesta de consumo das famílias, que são constituídas a partir dos hábitos de consumo da população-alvo da pesquisa.

A coleta de preços é realizada a partir da definição dos cadastros de informantes e de produtos, seguindo métodos de coleta. Na geração do cadastro de informantes são utilizadas duas linhas de procedimentos, conforme a natureza das diversas mercadorias pesquisadas. A linha principal consiste no levantamento de informantes através da Pesquisa de Locais de Compra - PLC, que define onde coletar os preços da grande maioria dos subitens. A segunda linha adota procedimentos específicos para subitens cujas peculiaridades assim o exigiam - os chamados subitens extra-PLC - para os quais a metodologia da PLC não é adequada, sendo necessário tratamento especial, ou seja, métodos específicos para determinar onde coletar preços. São exemplos de subitens extra-PLC o aluguel de moradia, empregados domésticos, condomínio, serviços públicos e taxas, etc.

Portanto, o cadastro de informantes é essencialmente formado por estabelecimentos comerciais de venda de produtos e prestadores de serviços; domicílios alugados; empresas concessionárias responsáveis pela prestação de serviços; órgãos oficiais; além de alguns profissionais autônomos, como médicos e dentistas.

Para definir o conjunto dos produtos que compõe o cadastro, considera-se a representatividade da totalidade dos produtos consumidos pela população a que o índice se refere. Sendo assim, o ponto de partida para a geração do cadastro de produtos é a relação dos subitens componentes da estrutura de pesos de cada área e de cada faixa de renda. É realizada uma Pesquisa de Especificação de Produtos e Serviços - PEPS que serve de base para a definição do cadastro de produtos, caracterizando os níveis de especificação utilizados na coleta de preços.

Quanto ao método de cálculo, estima-se o índice do subitem através de algumas etapas:
- primeiramente, calcula-se a média aritmética dos preços pesquisados em diferentes estabelecimentos comerciais para cada produto pesquisado no mês corrente. Através do mesmo processo, este preço médio é comparado com o resultado obtido no mês anterior
- Em seguida, para se calcular o índice do subitem, aplica-se a média geométrica simples para agregação dos resultados dos produtos pertencentes ao subitem
- Por último, para todos os níveis superiores de agregação, emprega-se a fórmula de Laspeyres.

Para aplicação desta fórmula de cálculo, os relativos de preços são ponderados por valores de despesas obtidos a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares. O método de cálculo para a obtenção do índice nacional é uma média aritmética ponderada dos dez índices metropolitanos mensais, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília. Para agregar os índices regionais, a variável utilizada como ponderador é o rendimento total urbano (POF 2017-2018). Quanto à série histórica de números-índices, a base está posicionada em dezembro de 1993, expressa em valor igual a cem (base = 100).
Técnica de coleta:
CAPI - Entrevista pessoal assistida por computador

Temas

Temas e subtemas
Preços e custos
Principais variáveis
- Preço
- Mês de Referência da pesquisa
- Faixa de renda
- Índice Geral
- Grupos de agregação de produtos e serviços
- Subgrupo de agregação de produtos e serviços
- Item
- Subitem
- Percentual no mês
- Percentual acumulado no ano
- Percentual acumulado nos últimos 12 meses
- Percentual acumulado nos últimos 6 meses
- Peso no mês
- Número-índice
- Período base
- População-objetivo

Unidades de informação

Unidade de investigação
Estabelecimento
Unidade de análise
Estabelecimento.

Períodos de referência

Mês - 01/06/2021 a 30/06/2021
Data de início da coleta
28/05/2021
Data do fim da coleta
28/06/2021

Disseminação

Formas de disseminação
Publicação Digital (online), Banco de Dados Agregados - SIDRA
Nível de desagregação geográfica
Região Metropolitana da Capital do Estado
Nível de divulgação
São divulgados os índices gerais, por grupos de produtos, subgrupos, item e subitens, para as regiões pesquisadas, além do agregado Brasil.

Instrumentos de coleta

INPC - Métodos Para o Trabalho de Campo do Sistema Nacional de Índices de Preços – Manual de Entrevista
https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/instrumentos_de_coleta/doc5540.pdf.

Histórico

O Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC) foi concebido em 1978, constituindo-se numa combinação de processos destinados a produzir índices de preços ao consumidor nacionais, a partir da agregação de resultados regionais. Foi criado com o propósito de garantir uma mesma concepção metodológica no que diz respeito à fórmula de cálculo, pesquisas básicas, bases cadastrais de produtos e locais, montagem da estrutura de pesos e método de cálculo. Desde sua origem, foram incorporados e desativados alguns índices de preços do SNIPC, que apresenta em sua configuração atual os seguintes índices de preços: IPCA, IPCA-15, IPCA-E e INPC.

As áreas geográficas pesquisadas foram implantadas na seguinte ordem cronológica: Rio de Janeiro (janeiro/1979); Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife (junho/1979); São Paulo, Brasília e Belém (janeiro/1980); Fortaleza, Salvador e Curitiba (outubro/1979); Goiânia (janeiro/1991); Vitória e Campo Grande (janeiro/2014).

Desde março de 1979, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC é produzido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e integrado ao Sistema Nacional de Índices de Preços - SNIPC. Tem por objetivo medir as variações de preços das cestas de consumo das populações assalariadas e com baixo rendimento.

Por ocasião da criação dos índices calculados pelo IBGE, as populações-alvo foram definidas originalmente com base em dados levantados pela pesquisa Estudo Nacional da Despesa Familiar - ENDEF 1974-1975, ficando estabelecido para o índice restrito (INPC) e amplo (IPCA), os intervalos de 1 a 5 e de 1 a 30 salários mínimos, respectivamente. Através desta pesquisa foram discriminadas as despesas com alimentação, vestuário, habitação e higiene, transporte, etc., com ênfase especial à coleta de informações sobre consumo alimentar, levantando-se dados quantitativos e qualitativos do estado nutricional das famílias e, também, sobre renda familiar - monetária e não monetária. Todas estas informações foram imprescindíveis para a construção da estrutura de ponderação dos índices de preços. Estes pesos ficaram vigentes de 1979 a maio de 1989.

A Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 1987-1988, implantada em junho de 1989, teve como um dos objetivos principais a geração de novos ponderadores para o cálculo dos índices de preços. Foram obtidas informações referentes a totalidade das despesas de consumo das famílias e a participação destas no total dos gastos familiares. A faixa de renda do INPC foi redefinida para um intervalo de 1 a 8 salários mínimos, com o objetivo de garantir uma cobertura de 50% das famílias com chefes assalariados residentes nas áreas urbanas de abrangência do SNIPC. A POF seguinte, realizada no período de 1995-1996, forneceu subsídios para a constatação que a população-alvo deveria permanecer inalterada e novos ponderadores foram implantados a partir de janeiro de 1999. Nestas duas primeiras Pesquisas de Orçamentos familiares, a área geográfica de cobertura ficou restrita à abrangência geográfica do SNIPC.

A POF seguinte foi realizada no período de 2002-2003 ampliando a área de cobertura geográfica da pesquisa, através do levantamento dos hábitos de consumo de uma amostra representativa de domicílios pesquisados nos 27 estados brasileiros. Verificou-se, também, que o intervalo de rendimentos do INPC deveria ser alterado para 1 a 6 salários mínimos.

Com o objetivo de montar o cadastro de locais de compra para realização da coleta de preços, o IBGE realizou, em 1987, a Pesquisa de Locais de Compra - PLC nas 13 áreas de abrangência do SNIPC, através de visitas aos domicílios de uma amostra previamente selecionada, na qual as famílias indicavam os locais onde adquiriam os vários produtos e serviços que consumiam. Como resultado, obteve-se um conjunto de estabelecimentos comerciais de venda de produtos ou prestadoras de serviços, a partir do qual efetuou-se a seleção dos locais a serem visitados mensalmente por ocasião da coleta de preços.

A partir do mês de janeiro de 2012, os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA - e do Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC - incorporam as estruturas de gastos geradas a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, que encontra-se no portal do IBGE.

A concepção geral do sistema de índices se mantém inalterada tanto no que se refere aos procedimentos de coleta, crítica e imputação, quanto ao método geral de cálculo e abrangência geográfica. Mantendo o procedimento adotado na última divulgação de estruturas, a respeito das séries históricas, o IBGE realiza o encadeamento dos resultados de forma direta, possibilitando comparações ao longo do tempo.

Com base na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, o IBGE atualizou a cesta de itens do IPCA e do INPC. Dessa forma, as novas estruturas de ponderação passaram a ser incorporadas a partir dos resultados de janeiro de 2020.

Saiba mais

https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/PC