Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA

Menu do Produto

Informações técnicas

Notas Técnicas

2019
2018
2017
2016
2015
Anos Anteriores

Metodologia da pesquisa (Série Relatórios Metodológicos)

Notas Metodológicas - Metodologia de cálculo

Metodologia de cálculo da inflação dos subitens do SNIPC Empregado Doméstico e Mão de Obra para Reparos Domésticos a partir das informações de rendimentos da PNAD Contínua.

Estrutura de pesos regionais, segundo áreas pesquisadas IPCA / INPC - 2009 

Áreas Pesquisadas Peso
IPCA1 INPC2
BRASIL 100,0 100,0
Belém 4,7 7,0
Fortaleza 3,5 6,6
Recife 5,1 7,2
Salvador 7,4 10,7
Belo Horizonte 10,9 10,6
Vitória 1,8 1,8
Rio de Janeiro 12,1 9,5
São Paulo 30,7 24,2
Curitiba 7,8 7,3
Porto Alegre 8,4 7,4
Campo Grande 1,5 1,6
Goiânia 3,6 4,2
Brasília 2,8 1,9

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços.

1 IBGE - Rendimento Monetário mensal familiar disponível(POF 2008-2009).

2 IBGE - População residente urbana (POF 2008-2009).

Notas Metodológicas - IPCA Dessazonalizado

Ajustamento Sazonal dos Índices de Preços ao Consumidor Ampla - IPCA/1998

É inerente à produção de índices de preços ao consumidor a atualização metodológica objetivando fornecer aos usuários instrumentos que possibilite uma melhor compreensão do fenômeno inflacionário.

Neste contexto, a questão do ajustamento sazonal das séries de Índices de Preços ao Consumidor,produzidas pelo IBGE, foi objeto de um projeto desenvolvido nestes últimos anos pelo Departamento de Índices de Preços - DESIP, cujos primeiros resultados estão sendo divulgados.

O objetivo do projeto é a produção de Índices de Preços ao Consumidor sazonalmente ajustados que possibilitem o conhecimento e a interpretação da Inflação, sem as variações sazonais, tanto a nível Regional, quanto Nacional.

Variações sazonais são movimentos periódicos e intra-anuais provocados pelos calendários climáticos ou institucionais (páscoa, carnaval, etc.).

Produtos sazonais são aqueles que apresentam ciclos bem definidos de produção, consumo e preços. Resumidamente, existem épocas do ano em que a sua disponibilidade nos mercados varejistas ora é escassa, com preços elevados; ora é abundante, com preços baixos.

Consequentemente há uma combinação de reduzido nível de consumo e preços altos e vice-versa.

É importante ressaltar que a produção e divulgação de séries ajustadas sazonalmente tem como pressuposto a produção de uma estatística adicional que:

possibilite uma melhor compreensão dos fatores determinantes dos movimentos de preços;

oriente a tomada de decisão dos agentes econômicos,uma vez que possibilita distinguir movimentos localizados no ano, provocados pelos fenômenos sazonais, dos mais duradouros ou denominados tendênciais;

auxilie a definição de políticas governamentais e setoriais que visem atenuar ou eliminar as influências dos movimentos sazonais através, por exemplo, de importação de produtos e manutenção de estoques reguladores;

possibilite em conjunto com outros indicadores a elaboração de estudos macroeconômicos.

Cabe destacar, que os produtos sazonais identificados pertencem aos Grupos: Alimentação e Bebidas e Vestuário e têm seus impactos mais significativos nos meses de janeiro, abril e agosto, aproximadamente.

É necessário enfatizar que os resultados anuais (acumulado no ano) das duas séries (original e ajustada) são os mesmos. Isto se deve ao fato de que o fenômeno sazonal situa-se dentro do ano (ficando abaixo da média em alguns meses e acima em outros), o que leva, consequentemente, a uma inflação anual idêntica a da série original.

Os resultados dos Índices Ajustados Sazonalmente são obtidos através da aplicação do procedimento X11-ARIMA - Estela B. Dagum do "Time Series Research anda Analysis Division, Statistics Canadá"- Versão Microcomputador.

A metodologia do ajuste encontra-se em Ajustamento Sazonal dos Índices de Preços ao Consumidor - IBGE/DESIP/RECON - de maio de 1996.

O IBGE divulga as séries do IPCA (originais e ajustadas), colocando à disposição dos usuários mais um instrumento analítico analítico fundamental à interpretação do fenômeno inflacionário.

Análise do Fenômeno do Sanzonal no Ano

Sabe-se que um processo de estabilização de preços mais duradouro leva, a longo prazo, a ausência de indexação, em especial aquela baseada na inflação passada (inercial), assim, a oscilação no nível da inflação, a curto prazo, passa a ser influenciada pelo impacto de fatores exógenos tais como: alta de preços de produtos agrícolas motivada por acidentalidade (seca, inundações, etc.), correção de preços administrados (públicos ou privados) e por movimentos sazonais, dentre outros.

A sazonalidade nos índices de preços ao consumidor, portanto no varejo, tem um comportamento bem nítido ao longo do ano e pode ser descrita da seguinte maneira: no primeiro semestre do ano,a sazonalidade influencia pressionando para cima a inflação; no segundo semestre, o fenômeno inverte-se com a sazonalidade contribuindo com quedas de preços.

No primeiro semestre a pressão altista sobre a inflação, advinda do fenômeno sazonal, é motivada, principalmente, pela entressafra e consequente escassez de produtos sazonais agrícolas. Neste semestre, também, existe a influência de movimentos sazonais de alguns produtos do Grupo Vestuário, que pode ser descrita da seguinte forma: no primeiro trimestre (final de fevereiro até março), as liquidações de produtos das coleções de verão, tão costumeiras nessa época do ano, imprimem um movimento de desaceleração e/ou queda de preços que atenuam, levemente, as pressões altistas exercidas pelos sazonais agrícolas em entressafra; no segundo trimestre (abril/jun.), os preços de alguns produtos sazonais do Vestuário, em especial, os de inverno, exercem pressões altistas sobre os preços, motivados pelos lançamentos das coleções de inverno.

Esse comportamento vem reforçar o impacto altista sobre os preços do fenômeno sazonal no primeiro semestre.

No segundo semestre do ano, a sazonalidade pressiona para baixo a inflação. Os produtos sazonais alimentícios, em sua grande maioria, tem sua maior oferta concentrada nesse semestre, exceto a carne bovina, cuja entressafra situa-se no segundo semestre.

Também os sazonais de inverno do Grupo Vestuário iniciam suas liquidações a partir de julho/agosto e perduram com preços em queda até o final de agosto, quando ocorrem as maiores liquidações.

As coleções de verão são lançadas em ínicio de setembro, porém, a intensidade das variações de preços (crescimento) são inferiores às do lançamento da moda inverno, bem como às variações de preços (queda) dos sazonais alimentícios.

Este comportamento leva a que o fenômeno sazonal contribua para a desaceleração/queda da inflação no segundo semestre de cada ano.

Em suma, os preços dos produtos sazonais são mais elevados no primeiro semestre do ano.

Por isso, a série ajustada sazonalmente revela, sempre nesse período do ano, um patamar inflacionário inferior ao da série original. No segundo semestre o comportamento é inverso.

O comportamento, acima descrito, revela uma das características do fenômeno sazonal: a sazonalidade é um fenômeno intra-anual, que se repete, mais ou menos regularmente, em determinados meses do ano, em todos os anos.

Esse comportamento sazonal já é bem conhecido pelos "policy-makers",analistas de mercado, bem como dos consumidores.

No entanto, o que é relevante identificar é a magnitude desse fenômeno e poder verificar o que de fato está acontecendo em termos de variações de preços relativos, quando a componente sazonal é isolada. Isso possibilita uma avaliação, mais acurada, por exemplo, da eficácia de políticas econômicas de curto prazo, no que diz respeito a seus impactos sobre a componente inflacionária.

Nesse sentido, a divulgação do IPCA sazonalmente ajustado visa suprimir uma lacuna importante em termos de análise do processo inflacionário.

Notas Metodológicas - IPCA/INPC

1. Descrições

- Descrição Sumária

O Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor - SNIPC, consiste em uma combinação de processos destinados a produzir índices de preços ao consumidor. O objetivo é acompanhar a variação de preços de um conjunto de produtos e serviços consumidos pelas famílias.

O sistema abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. É a partir da agregação dos índices regionais referentes a uma mesma faixa de renda que se obtém o índice nacional.

Os índices mensais resultam, regra geral, da comparação dos preços vigentes nos 30 (trinta) dias do período de referência com os 30 (trinta) do período base. A coleta integral de preços se dá a cada período de 30 (trinta) dias que é segmentado, sem interrupção, em 4 (quatro) subperíodos. Cada um deles contém cerca de 7 (sete) dias com datas definidas através do Calendário Anual de Coleta do SNIPC.

Em um subperíodo efetua-se a coleta de uma quarta parte fixa de estabelecimentos. Desta forma, é possível extrair do sistema índices com períodos base e de referência de 30 (trinta) dias ao final de cada conjunto de quatro subperíodos.

Os índices podem ser obtidos para diversas populações-objetivo desde que estejam disponíveis as respectivas estruturas de ponderações correspondentes a famílias de diferentes faixas de rendimento mensal.

Do ponto de vista temporal, além dos índices mensais, podem ser calculadas as variações de preços ocorridas em 2 (dois) meses ou mais, a partir das séries históricas produzidas.

Ressaltando que o sistema, na forma como é montado, possibilita várias alternativas de cálculo de índices, passamos a descrever, abaixo, os Índices Nacionais de Preços ao Consumidor:

Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC e Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA

- Descrição Atual

O INPC e o IPCA são calculados de forma contínua e sistemática para as áreas abrangidas pelo sistema.

A população-objetivo do INPC é referente a famílias residentes nas áreas urbanas das regiões de abrangência do SNIPC com rendimentos de 1 (hum) e 6 (seis) salários-mínimos e cujos chefes são assalariados; e a do IPCA é referente a famílias residentes nas áreas urbanas das regiões de abrangência do SNIPC com rendimentos de 1 (hum) e 40 (quarenta) salários-mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos.

Para cada região são utilizadas as informações das seguintes pesquisas básicas:

Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF

Realizada no período compreendido entre julho de 2002 a junho de 2003.

Forneceu as estruturas de ponderação das populações-objetivo.

Pesquisa de Locais de Compra - PLC

Realizada no período de maio a junho de 1988. Forneceu o cadastro de informantes da pesquisa, cuja manutenção é contínua.

Pesquisa de Especificação de Produtos e Serviços - PEPS

Realizada na época de implantação de cada uma das regiões para todos os produtos e serviços constantes da estrutura de ponderações.

Forneceu o cadastro de produtos e serviços pesquisado, que é permanentemente atualizado com o objetivo de acompanhar a dinâmica de mercado.

2. Principais Variáveis Investigadas e Unidades de Investigação

Os preços obtidos são os efetivamente cobrados ao consumidor, para pagamento à vista.

A Pesquisa é realizada em estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços, domicílios e concessionárias de serviços públicos.

3. Abrangência Geográfica

Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além do Distrito Federal e do município de Goiânia.

4. Periodicidade

Mensal

5. Metodologia

Os índices são calculados para cada região. A partir dos preços coletados mensalmente, obtém-se, na primeira etapa de síntese, as estimativas dos movimentos de preços referentes a cada produto pesquisado.

Tais estimativas são obtidas através do cálculo da média aritmética simples de preços dos locais da amostra do produto que, comparadas em dois meses consecutivos, resultam no relativo das médias.

Agregando-se os relativos dos produtos através da média geométrica é calculada a variação de preços de cada subitem, que se constitui na menor agregação do índice que possui ponderação explícita.

A partir daí é aplicada a fórmula Laspeyres, obtendo-se todos os demais níveis de agregação da estrutura item, subgrupo, grupo e, por fim, o índice geral da região.

Os índices nacionais INPC e IPCA são calculados a partir dos resultados dos índices regionais, utilizando-se a média aritmética ponderada.

A variável de ponderação do INPC é a "População Residente Urbana" (Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF - 2002-2003) e a do IPCA "Rendimento Familiar Monetário Disponível " (Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF - 2002-2003).

6. Época de Coleta

O período de coleta do INPC e do IPCA estende-se, em geral, do dia 01 a 30 do mês de referência.

7. Tempo Previsto entre Coleta e Divulgação

Aproximadamente 8 (oito) dias Úteis.

8. Início da Pesquisa

Janeiro/1979 - Rio de Janeiro;

Junho/1979 - Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife;

Janeiro/1980 - São Paulo, Brasília e Belém;

Outubro/1980 - Fortaleza, Salvador e Curitiba;

Janeiro/1991 - Goiânia;

A série Brasil encontra-se disponível a partir de setembro de 1981.