Nossos serviços estão apresentando instabilidade no momento. Algumas informações podem não estar disponíveis.

Population Census

About - Summary

The 2010 Population Census Summary presents tables for Brazil and one for each Federation Unit with information on enumerated housing units, by type, resident population, total, urban total and urban total living in the municipal headquarter, in absolute and relative figures, and includes data on total area and demographic density, by Federation Unit and municipality. 

Main results - Summary

#tabelasidra201763135139715

#tabelasidra201763135232643

#tabelasidra201763135431537


The IBGE adopts a review policy of the data disclosed by this statistical operation. Data review means any and all scheduled revision of numerical data due to new information, which was not accessible at the time of the first disclosure. For instance: late data that replaces a non-response; or data corrected by the informant himself; or a set of data that has undergone editing and imputation. For more detailed information about the published data review policy of the IBGE statistical operations, check the list of short-term, long-term and special surveys carried out by the Institute with their respective revision procedure on: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=298009.

Tables - Summary

Brazil

  • Table 1.1 - Number of municipalities in Population Censuses, considering Major Regions and Federation Units - 1960/2010
  • Table 1.2 - Number of districts in Population Censuses, considering Major Regions and Federation Units - 1960/2010
  • Table 1.3 - Number of villages in Population Censuses, considering Major Regions and Federation Units - 1960/2010
  • Table 1.4 - Population in Population Censuses, considering Major Regions and Federation Units - 1872/2010
  • Table 1.5 - Distribution of percentage of population in Population Censuses considering Major Regions and Federation Units - 1872/2010
  • Table 1.6 - Population in Population Censuses, considering municipality capitals - 1872/2010
  • Table 1.7 - Proportion of population in the capital municipality in relation to the Federation Unit, in Population Censuses, considering municipality capitals - 1872/2010
  • Table 1.8 - Population in Population Censuses, considering Major Regions, Federation Units and housing unit location - 1960/2010
  • Table 1.9 - Distribution of percentage of population in Population Censuses, considering Major Regions, Federation Units and housing unit location - 1960/2010
  • Table 1.10 - Population density in Population Censuses, considering Major Regions and Federation Units - 1872/2010
  • Table 1.11 - Resident population, by housing unit location and sex, considering Major Regions and Federation Units - 2010
  • Table 1.12 - Resident population, by sex and groups of age, considering Major Regions and Federation Units - 2010
  • Table 1.13 - Resident population, by housing unit location and area, considering Major Regions, Federation Units and sex - 2010
  • Table 1.14 - Municipalities with resident population superior to 50 000 people, in decreasing order of resident population - 2010
  • Table 1.15 - Resident population, total, total urban and urban in the municipal capital, in absolute and relative numbers, considering total area and population density, considering Major Regions and Federation Units - 2010
  • Table 1.16 - Enumerated housing units, by type, considering Major Regions, Federation Units and housing unit location - 2010
  • Table 1.17 - Occupied private housing units , by housing unit location and area, considering Major Regions and Federation Units - 2010
  • Table 1.18 - Average of residents in occupied private housing units , by housing unit location and area, considering Major Regions and Federation Units - 2010
  • Table 1.19 - Number of municipalities and population in Population Censuses, considering Major Regions and population size classes of the municipalities - 1960/2010
  • Table 1.20 - Number of districts and population in Population Censuses, considering Major Regions and population size classes of the districts -1960/2010
  • Table 1.21 - Number of cities and population in Population Censuses, considering Major Regions and population size classes of the cities - 1960/2010
  • Table 1.22 - Number of villages and population in Population Censuses, considering Major Regions and population size classes of the villages - 1960/2010

Federation Units

Resident population, total, total urban and urban in the municipal headquarter, in absolute and relative numbers, with indication of the total area and population density, according to the Federation Units and municipalities - 2010

Metropolitan Areas

  • Table 3.1 - Resident population, by urban or rural housing unit and location of area, according to the Metropolitan Areas, Integrated Development Areas - RIDEs, municipalities and sex - 2010
  • Table 3.2 - Resident population, by urban or rural housing unit, with indication of urban resident population in the municipal headquarter, total area and population density, according to the Metropolitan Areas, Integrated Development Areas - RIDEs and municipalities - 2010
  • Table 3.3 - Enumerated housing units, by type, according to the Metropolitan Areas, Integrated Development Areas - RIDEs, municipalities and urban or rural housing units - 2010
  • Table 3.4 - Occupied private housing units, by urban or rural housing unit and location of area, according to the Metropolitan Areas, Integrated Development Areas -RIDEs and municipalities - 2010
  • Table 3.5 - Average number of residents in occupied private housing units, by urban or rural housing unit and location of area, according to the Metropolitan Areas, Integrated Development Areas -RIDEs and municipalities - 2010
  • Table 3.6 - Resident population in 2000 and resident population in 2010, by urban or rural housing unit, with indication of the urban population living in the municipal headquarter, total area and population density, according to the Metropolitan Areas and municipalities
  • Table 3.7 - Resident population, by urban or rural housing unit and sex, according to the Metropolitan Areas, municipalities and districts - 2010
  • Table 3.8 - Resident population, by urban or rural housing unit and location of area, according to the Metropolitan Areas, municipalities, districts and sex- 2010
  • Table 3.9 - Enumerated housing units, by type, according to the Metropolitan Areas, municipalities, districts and urban or rural housing units - 2010
    Table 3.10 - Occupied private housing units, by urban or rural housing unit and location of area, according to the Metropolitan Areas, municipalities and districts - 2010
  • Table 3.11 - Average number of residents in occupied private housing units, by urban or rural housing unit and location of area, according to the Metropolitan Areas, municipalities and districts - 2010

Headquarter District and Sub-districts

  • Table 4.1 - Resident population, by urban or rural housing unit and sex, according to the municipalities of the capitals that have only the headquarter district and sub-districts - 2010
  • Table 4.2 - Enumerated housing units, by type, according to the municipalities of the capitals that have only the headquarter district and sub-districts and urban or rural housing units - 2010
  • Table 4.3 - Resident population, by urban or rural housing unit and location of area, according to the municipalities of the capitals that have only the headquarter district and sub-districts and sex - 2010
  • Table 4.4 - Occupied private housing units, by urban or rural housing unit and location of area, according to the municipalities of the capitals that have only the headquarter district and sub-districts - 2010
  • Table 4.5 - Average number of residents in occupied private housing units, by urban or rural housing unit and location of area, according to the municipalities of the capitals that have only the headquarter district and sub-districts - 2010

The IBGE adopts a review policy of the data disclosed by this statistical operation. Data review means any and all scheduled revision of numerical data due to new information, which was not accessible at the time of the first disclosure. For instance: late data that replaces a non-response; or data corrected by the informant himself; or a set of data that has undergone editing and imputation. For more detailed information about the published data review policy of the IBGE statistical operations, check the list of short-term, long-term and special surveys carried out by the Institute with their respective revision procedure on: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=298009.

Concepts and methods - Summary

As informações a seguir descrevem os metadados estatísticos, que são o conjunto de conceitos, métodos e aspectos relacionados às estatísticas, e são informações necessárias para compreender as características e a qualidade das estatísticas e interpretá-las corretamente.

Informações Gerais

Objetivo
O Censo Demográfico tem por objetivo contar os habitantes do território nacional, identificar suas características e revelar como vivem os brasileiros, produzindo informações imprescindíveis para a definição de políticas públicas e a tomada de decisões de investimentos da iniciativa privada ou de qualquer nível de governo. Também constitui a única fonte de referência sobre a situação de vida da população nos municípios e em seus recortes internos, como distritos, bairros e localidades, rurais ou urbanas, cujas realidades dependem de seus resultados para serem conhecidas e terem seus dados atualizados.
Tipo de operação estatística
Censo demográfico
Tipo de dados
Dados de pesquisa por amostragem probabilística, Dados de Censo, Dados agregados
Periodicidade de divulgação
Decenal
População-alvo
O censo brasileiro adota o conceito de população residente ou "de direito", ou seja, a população é enumerada no seu local de residência habitual. Outros países fazem o levantamento da população "de fato", ou seja, no local em que se encontrava na data de referência do censo. Dadas as características continentais do Brasil e a forma de utilização da informação censitária, a escolha vem recaindo em todos os últimos censos sobre o uso da primeira alternativa.

Metodologia

A coleta das informações foi conduzida, em geral, através de entrevista presencial (entrevista direta – face a face – com os moradores do domicílio) e ocorreu de acordo com as orientações do IBGE, transmitidas durante as várias etapas do treinamento. Este procedimento foi realizado mediante o contato entre o Recenseador e o morador, e a partir de uma relação de parceria estabelecida entre eles.
Além desta modalidade tradicional, para o Censo Demográfico 2010 abriu-se a possibilidade, pela primeira vez na história dos Censos no país, de coleta por meio da Internet. O Recenseador poderia oferecer essa alternativa quando houvesse restrições de acesso a áreas específicas, por exemplo, no caso de condomínios fechados; ou quando fosse encontrada qualquer outra dificuldade para fazer a coleta na modalidade entrevista presencial.
Técnica de coleta:
CASI - Questionário eletrônico autopreenchido, CAPI - Entrevista pessoal assistida por computador
Procedimento de amostragem
A partir do Censo de 1960 foi adotado um modelo de técnica de amostragem probabilística que vem se mantendo para os demais censos, onde utilizou-se dois modelos de questionários: amostra e básico (não amostra).
O esquema de amostragem utilizado nos Censos Demográficos brasileiros é uma amostra estratificada, considerando como estrato o setor censitário. A seleção de domicílios é feita de forma sistemática, independentemente em cada setor e com equiprobabilidade.
Nos Censos de 1960, 1970 e 1980 o questionário da amostra foi aplicado em 25% dos domicílios particulares e pessoas nele residentes e 25% das famílias ou pessoas sós residentes em domicílios coletivos.

Para os Censos de 1991 e 2000, após estudos realizados por especialistas em amostragem, foram adotadas frações amostrais diferenciadas, de acordo com o tamanho da população do município. Assim, os municípios com até 15.000 habitantes tiveram 20% de seus domicílios investigados pelo questionário da amostra e nos municípios com mais de 15.000 habitantes, a fração amostral foi de 10%.

Diferentemente de censos anteriores, a amostra do Censo 2010 teve cinco frações diferentes usadas de acordo com o total da população do município. Nos municípios com até 2.500 habitantes, a fração amostral foi de 50%, ou seja, em metade do total de domicílios foi aplicado o questionário da amostra. Os que tinham mais de 2.500 até 8.000 habitantes, tiveram a fração amostral de 33%. Nos municípios com mais de 8.000 até 20.000 habitantes, a fração foi de 20%. Já nos que tinham mais de 20.000 até 500 mil habitantes, a fração foi de 10%. E, por fim, nos municípios com população maior que 500 mil, a fração foi de 5%. A definição de mais de duas frações amostrais só se deu em função da facilidade operacional, de aplicação e de controle, permitida com o uso dos computadores de mão na operação de coleta de dados.
A seleção dos domicílios para a amostra, o que significava definir qual tipo de questionário seria aplicado em um determinado domicílio, foi feita automaticamente no computador de mão (PDA). Os domicílios, cadastrados no PDA, fizeram parte de uma lista da qual a amostra foi selecionada. A seleção é aleatória, independente em cada setor censitário, de acordo com a fração amostral definida para o município, e de forma que seja espalhada geograficamente por toda a extensão do setor censitário.
Crítica e imputação
Todos os dados coletados passaram, no momento da entrevista, pelo processo de crítica eletrônica, cuja finalidade era eliminar inconsistências entre as informações dos diversos quesitos do questionário provenientes de equívocos ou não respostas durante a fase da coleta.
A inovação tecnológica permitiu eliminar a fase posterior a coleta, existente até o Censo Demográfico 2000, denominada transcrição dos dados para meio magnético, seja por digitação ou pelo uso de scanners.
Com o uso do computador de mão e aproveitando a presença do entrevistado durante o preenchimento do questionário, julgou-se importante que, além dos valores possíveis para cada variável, fossem introduzidas também algumas críticas de incompatibilidades que subsidiassem de forma consistente os recenseadores em relação as variáveis sexo, idade, relação de parentesco etc, e, também, o uso de funções e mensagens de advertência, facilitando o preenchimento do questionário de acordo com os saltos existentes, bem como inibindo determinadas categorias de respostas que, de acordo com a idade declarada, não deveriam ser assinaladas.
A depuração dos dois conjuntos de dados, universo e amostra, contou com a utilização de quatro softwares; NIM – New Imputation Methodology, CANCEIS – CANadian Census Edit & Imputation System, ambos desenvolvidos pelo Statistics Canada e seguidores da metodologia de Fellegi & Holt, CsPRO – Census and Survey Processing System e SAS – Statistical Analysis Sistem.
Para as informações referentes às características do domicílio, utilizou-se o sistema de crítica e imputação CANCEIS (Canadian Census Edit and Imputation System), no qual o processo de imputação foi realizado por meio de registros doadores, selecionados aleatoriamente entre os registros sem erros. Quanto as informações referentes as características dos moradores, para a critica das informações relativas a estrutura do domicílio e nupcialidade, utilizou-se o Sistema NIM (New Imputation Methodology), já utilizado pelo IBGE no Censo Demográfico 2000 para os domicílios com até oito moradores. Os registros de pessoas com erro foram corrigidos, automaticamente, através de imputação gerada por domicílios doadores (sem erros). Para os domicílios com mais de oito moradores, foi utilizado o Sistema CsPRO (Census and Survey Processing System), no qual os registros com erro foram corrigidos manualmente a partir de regras preestabelecidas, com intervenção de operadores especialmente treinados. Os temas Migração, Educação, Fecundidade, Trabalho, Rendimento e Deslocamento foram tratados através do Sistema CANCEIS.
Emigração Internacional, Mortalidade, Deficiência, Religião, Cor ou raca, Etnia e Língua falada pelos indígenas e Registro de nascimento tiveram apenas um tratamento determinístico (imputação de códigos correspondentes a sem declaração ou ignorado) para os casos de não resposta das variáveis.
O uso do NIM serviu para processar a correção dos possíveis erros detectados entre registros de pessoas, uma vez que, até aquele momento, o CANCEIS não havia sido testado no tratamento de críticas entre registros, relacionando variáveis equivalentes entre duas pessoas.
A imputação através do NIM pressupõe uma organização dos registros em estratos, cuja variável de estratificação e o número de moradores dos domicílios. Um domicílio é considerado um potencial doador se, para uma determinada aplicação, por exemplo, estrutura do domicílio, para a qual ele foi efetivamente utilizado, ele não possua erros, ou seja, uma vez submetido as regras de crítica, nenhuma falha foi detectada.
Essa foi uma das razões para que o tamanho dos lotes fosse diferente em algumas de suas etapas, pois, quando os registros são separados em estratos, faz-se necessário trabalhar com lotes maiores, de modo que nos estratos mais rarefeitos (aqueles formados por domicílios com maior número de moradores) seja possível obter doadores para domicílios com erro. Vale destacar que, por ocasião dos testes realizados com dados do Censo Demográfico 2000, tentou-se chegar ao estrato de 12 pessoas, mas a opção se mostrou inviável e, por isso, o tamanho máximo utilizado no Censo Demográfico 2010 foi de oito moradores (mesmo tamanho utilizado no Censo Demográfico 2000).
Por outro lado, a utilização da correção e imputação automática através do NIM exige o uso de algum outro sistema, como um complemento do NIM, que permita tratar os erros decorrentes de estratos maiores que oito moradores, ou até mesmo de estratos iguais ou menores que oito moradores para os quais não foi possível conseguir um doador. Para tanto, naqueles registros não corrigidos pelo NIM, utilizou-se o software CsPRO. As regras de crítica foram implementadas no ambiente CsPRO e corrigidas online por técnicos devidamente treinados, conhecedores do questionário, através da análise das mensagens de erro.
Utilizou-se o CsPRO nos dois conjuntos de dados, universo e amostra, assim como em setores não indígenas e naqueles compostos exclusivamente por terras indígenas. Para esses últimos, a detecção e imputação dos erros foi feita exclusivamente pelo CsPRO, uma vez que não foi possível escrever as regras de crítica no NIM, considerando-se que nas terras indígenas havia a possibilidade de registro de mais de um cônjuge em relação a pessoa responsável pelo domicilio.

Temas

Temas e subtemas
Família, Grupos populacionais específicos, Trabalho, Trabalho remunerado, Outras formas de trabalho, Rendimento, despesa e consumo, Estatísticas multidomínio, Gênero, População, Condições de vida, pobreza e desigualdade, Educação, Nupcialidade, Características gerais da população, Habitação, Cultura, recreação e esporte, Sociedade da Informação, Saúde, Componentes da dinâmica demográfica e estatísticas vitais, Proteção social
Principais variáveis
Variáveis Geográficas
• Unidade da Federação
• Município
• Região Geográfica
• Mesorregião
• Microrregião
• Região Metropolitana
• Situação do domicílio

Variáveis do Registro de Domicílios
• Espécie
• Tipo de espécie
• Domicílio, condição de ocupação
• Valor do aluguel (em reais)
• Aluguel em número de salários mínimos
• Material predominante, paredes externas
• Cômodos, número
• Cômodos como dormitório, número
• Banheiro de uso exclusivo, número
• Sanitário ou buraco para dejeções, existência
• Esgotamento sanitário, tipo
• Abastecimento de água,
• Abastecimento de água, canalização
• Lixo, destino
• Energia elétrica, existência
• Existência de medidor ou relógio, energia elétrica, companhia distribuidora
• Rádio, existência
• Televisão, existência
• Máquina de lavar roupa, existência
• Geladeira, existência
• Telefone celular, existência
• Telefone fixo, existência
• Microcomputador, existência
• Microcomputador com acesso à internet, existência
• Motocicleta para uso particular,
• Automóvel para uso particular, existência
• Morador, número
• Densidade morador/cômodo
• Densidade morador/dormitório
• Emigração internacional
• Quantas pessoas moravam neste domicílio em 31 de julho de 2010
• De agosto de 2009 a julho de 2010, faleceu alguma pessoa que morava com você(s) (Inclusive crianças recém-nascidas e idosos
• A responsabilidade pelo domicílio é de:
• Rendimento domiciliar, salários mínimos, em julho de 2010
• Rendimento mensal domiciliar em julho de 2010
• Rendimento domiciliar, salários mínimos, em julho de 2010
• Rendimento domiciliar per capita, em julho de 2010 (em reais).
• Peso
• Área de ponderação

Variáveis do registro de Emigração Internacional

• Unidade da Federação
• Município
• Região Geográfica
• Mesorregião
• Microrregião
• Região Metropolitana
• Situação do domicílio
• Sexo do emigrante
• Ano de nascimento do emigrante
• Ano da última partida do emigrante
• País de residência em 31 de julho de 2010
• Peso
• Área de ponderação

Variáveis do registro de Mortalidade

• Unidade da Federação
• Município
• Região Geográfica
• Mesorregião
• Microrregião
• Região Metropolitana
• Situação do domicílio
• Mês e ano de falecimento
• Sexo da pessoa falecida
• Idade ao falecer, em anos
• Idade ao falecer, em meses
• Peso
• Área de ponderação


Variáveis do Registro de Pessoas

• Unidade da Federação
• Município
• Região Geográfica
• Mesorregião
• Microrregião
• Região Metropolitana
• Situação do domicílio
• Relação de parentesco ou de convivência com a pessoa responsável pelo domicílio
• Ordem da pessoa
• Sexo
• Variável auxiliar da idade calculada (anos e meses).
• Idade calculada em anos:
• Idade calculada em meses - menores de 1 ano
• Indicadora da forma de declaração da idade
• Cor ou raça
• Registro de nascimento
• Dificuldade permanente de enxergar
• Dificuldade permanente de ouvir
• Dificuldade permanente de caminhar ou subir degraus
• Deficiência mental/intelectual permanente
• Nasceu neste município
• Nasceu nesta Unidade da Federação
• Nacionalidade
• Ano que fixou residência no Brasil
• Unidade da Federação ou país estrangeiro de nascimento
• Unidade da Federação de nascimento
• País estrangeiro de nascimento
• Tempo de moradia na UF
• Tempo de moradia no município
• Unidade da Federação e município ou País estrangeiro de moradia antes de mudar-se para este município
• UF de residência anterior
• Município de residência anterior
• País estrangeiro de residência anterior
• Residência em 31 de julho de 2005
• UF de residência em 31 de julho de 2005
• Município de residência em 31 de julho de 2005
• País estrangeiro de residência em 31 de julho de 2005
• Sabe ler e escrever
• Frequenta escola ou creche
• Curso que frequenta
• Série/ano que frequenta
• Série que frequenta
• Conclusão de outro curso superior de graduação
• Curso mais elevado que frequentou
• Conclusão deste curso
• Espécie do curso mais elevado concluído
• Curso Superior de Graduação
• Curso de Mestrado
• Curso de Doutorado
• Nível de instrução
• Município e Unidade da Federação ou país estrangeiro que frequentava escola ou creche
• Unidade da Federação que frequentava escola ou creche
• Município que frequentava escola ou creche
• País estrangeiro que frequentava escola ou creche
• Vive em companhia de cônjuge ou companheiro(a)
• Número de ordem do cônjuge ou companheiro(a)
• Natureza da união
• Estado civil
• Trabalhou ganhando em dinheiro, produtos, mercadorias ou benefícios
• Tinha trabalho remunerado do qual estava temporariamente afastado(a)
• Ajudou sem qualquer pagamento no trabalho remunerado de morador do domicílio
• Trabalhou na plantação, criação de animais ou pesca, somente para alimentação dos moradores do domicílio (Inclusive caça e extração vegetal)
• Quantos trabalhos tinha
• Ocupação
• Atividade
• Nesse trabalho era:
• Quantas pessoas empregava nesse trabalho
• Era contribuinte de Instituto de Previdência Oficial em algum trabalho que tinha na semana de 25 a 31 de julho de 2010
• No trabalho principal, qual era o rendimento bruto (ou retirada) mensal que ganhava habitualmente em julho de 2010
• Valor do rendimento bruto (ou retirada) mensal no trabalho principal
• Rendimento no trabalho principal
• Rendimento no trabalho principal em número de salários mínimos
• Nos demais trabalhos, qual era o rendimento bruto (ou a retirada) mensal que ganhava habitualmente em julho de 2010
• Valor do rendimento bruto (ou retirada) mensal nos demais trabalhos (em reais)
• Rendimento nos demais trabalhos em número de salários mínimos
• Rendimento em todos os trabalhos, em reais
• Rendimentos em todos os trabalhos em números de salários mínimos
• Rendimento mensal total em julho de 2010, em reais
• Rendimento mensal total em julho de 2010, em salários mínimos
• Rendimento domiciliar (domicílio particular) em julho de 2010, em reais
• Rendimento domiciliar (domicílio particular) em julho de 2010, em número de salários mínimos
• Rendimento domiciliar (domicílio particular) per capita em julho de 2010, em reais
• Rendimento domiciliar (domicílio particular) per capita em julho de 2010, em número de salários mínimos
• No trabalho principal, quantas horas trabalhava habitualmente por semana
• No período de 02 a 31 de julho de 2010, tomou alguma providência, de fato, para conseguir trabalho
• Se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumi-lo na semana de 25 a 31 de julho de 2010
• Em julho de 2010, tinha rendimento mensal habitual de aposentadoria ou pensão de instituto de previdência oficial (federal, estadual ou municipal)
• Em julho de 2010, tinha rendimento mensal habitual de Programa Social Bolsa Família ou Programa de Erradicação do Trabalho Infantil – PETI
• Em julho de 2010 tinha rendimento mensal habitual de outros programas sociais ou de transferências
• Em julho de 2010, tinha rendimento mensal habitual de outras fontes (juros de poupança, aplicações financeiras, aluguel, pensão ou aposentadoria de previdência privada, etc.)
• Em julho de 2010, qual foi o valor total deste(s) rendimento(s)
• Em que município e Unidade da Federação ou país estrangeiro trabalha
• Em que Unidade da Federação trabalhava
• Em que município trabalhava
• Em que país estrangeiro trabalhava
• Retorna do trabalho para casa diariamente
• Qual o tempo habitual gasto de deslocamento de sua casa até o trabalho
• Tem mãe viva
• Número de ordem da mãe da pessoa
• Quantos filhos e filhas nascidos vivos teve até 31 de julho de 2010
• Quantos filhos nascidos vivos até 31 de julho de 2010
• Quantas filhas nascidas vivas teve até 31 de julho de 2010
• Total de filhos nascidos vivos que teve até 31 de julho de 2010
• Dos filhos e filhas que teve, quantos estavam vivos em 31 de julho de 2010
• Dos filhos que teve, quantos estavam vivos em 31 de julho de 2010
• Das filhas que teve, quantas estavam vivas em 31 de julho de 2010
• Total de filhos que teve e que estavam vivos em 31 de julho de 2010
• Qual o sexo do último filho tido nascido vivo até 31 de julho de 2010
• Idade do(a) último(a) filho(a) tido(a) nascido(a) vivo(a) até 31 de julho de 2010
• Existência de filho(a) tido(a) nascido(a) vivo(a) no período de referência de 12 meses anteriores a 31/07/2010
• Este(a) filho(a) estava vivo(a) em 31 de julho de 2010
• Qual foi o mês e o ano que este(a) filho(a) faleceu
• Qual foi o mês que este(a) filho(a) faleceu
• Qual foi o ano que este(a) filho(a) faleceu
• Quantos filhos e filhas nascidos mortos teve até 31 de julho de 2010
• Quantos filhos nascidos mortos até 31 de julho de 2010
• Quantas filhas nascidas mortas até 31 de julho de 2010
• Quantos filhos e filhas nascidos mortos teve até 31 de julho de 2010
• Total de filhos tidos nascidos vivos e nascidos mortos
• Assinale quem prestou as informações desta pessoa
• Número de ordem do informante (outro morador)
• Condição de atividade na semana de 25 a 31 de julho de 2010
• Condição de ocupação na semana de 25 a 31 de julho de 2010
• Situação de ocupação na semana de 25 a 31 de julho de 2010
• Posição na ocupação e categoria do emprego no trabalho principal da semana de 25 a 31 de julho de 2010
• Subgrupo e categoria do emprego no trabalho principal da semana de 25 a 31 de julho de 2010.
• Peso
• Área de ponderação
• Tipo de unidade doméstica
• Ordem lógica na família
• Número de Pessoas na Família
• Rendimento familiar per capita em julho de 2010
• Rendimento familiar per capita em nº de salários mínimos em julho de 2010
• Tipo de composição familiar das famílias únicas e conviventes principais
• Tipo de composição familiar das famílias conviventes secundárias
Palavras-chave
Características gerais da população, Emigração internacional, Cor ou Raça, Etnia e Língua Indígena, religião, pessoas com deficiência, Educação, deslocamento, Trabalho, rendimento, Famílias, domicílios, Nupcialidade, fecundidade, migração, Mortalidade

Unidades de informação

Unidade de investigação
Domicílio, Pessoa
Unidade de análise
Pessoa, Domicílio, Família, Unidade doméstica
Unidade informante
Pessoa.

Períodos de referência

Data (noite) - 31/07/2010 a 01/08/2010
Mês - 01/07/2010 a 31/07/2010
Ano - 01/08/2009 a 31/07/2010
Período de 5 anos - 31/07/2005 a 31/07/2010
Semana - 25/07/2010 a 31/07/2010
Data de início da coleta
01/08/2010
Data do fim da coleta
31/10/2010

Disseminação

Formas de disseminação
Publicação Digital (online), Microdados no Portal do IBGE, Publicação impressa com CD-ROM
Nível de desagregação geográfica
Área de ponderação
Nível de divulgação
Os resultados do Censo Demográfico foram divulgados para o Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Mesorregiões e Microrregiões, Municípios, Distritos, Subdistritos, Bairros, setores censitários (resultados do Universo) e áreas de ponderação (arquivos de microdados da amostra).

Instrumentos de coleta

Histórico

Os Censos Demográficos são a principal fonte de informação sobre a situação de vida da população em cada um dos municípios e localidades do País. As demais pesquisas domiciliares são, por exemplo, levantamentos por amostragem, que não são representativas para todos esses níveis geográficos.

Não só o governo federal e a sociedade civil se beneficiam de informações do censo; a descentralização político-administrativa reinstaurada com a Constituição de 1988 aumentou enormemente a demanda por informações mais desagregadas. Prefeitos, governadores, órgãos municipais e estaduais de planejamento, investidos de maior autonomia e de novas responsabilidades, dependem hoje, como nunca, dos Censos Demográficos para realizarem suas escolhas com base em informações atualizadas sobre a população.

O primeiro recenseamento da população brasileira foi realizado em 1872, ainda durante o Império, mas foi a partir do Censo 1890, já sob a República, que os censos se tornaram decenais, o que garantiria a operação censitária de 1900, marcada pelo cancelamento dos resultados, na parte referente à cidade do Rio de Janeiro, então Distrito Federal, e a necessidade de se realizar uma nova pesquisa na capital entre 1906 e 1907. Desde então, o Brasil mantém um excelente retrospecto de censos regulares e inovadores; exceto pela não realização dos Censos de 1910 e 1930 em virtude de perturbações de ordem política que marcaram o período.

Em relação ao Censo Demográfico de 1920, destaca-se não somente a sua realização em meio a um período político que resultaria nos supracitados cancelamentos dos Censos 1910 e 1930, como também seu projeto ousado, uma vez que contemplava não somente aspectos demográficos, como também a situação econômica das várias localidades incluindo-se para tanto o levantamento da produção agrícola e industrial. Sobre o recenseamento de 1920 destaca-se ainda uma relevante cooperação técnica internacional com o U.S Census Bureau no âmbito da tecnologia de apuração dos resultados.

Em 1940, transcorridos 20 anos da data da realização da última operação censitária, e após a radical transformação da estrutura dos serviços de estatística, realizou-se, a 1º de setembro de 1940, o V Recenseamento Geral do Brasil, o primeiro após a criação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística no ano de 1938. Dez anos depois, o recenseamento de 1950 inauguraria a implementação do setor censitário, correspondendo o setor à menor unidade de trabalho.

A partir de 1960 os recenseamentos passaram a adotar a técnica de amostragem na coleta das informações e os resultados divulgados foram classificados em 2 grupos: Resultados do Universo, que abrange os dados comuns aos dois tipos de questionários, e Resultados da Amostra. Passados dez anos, o Brasil realizou, em 1970, o seu VIII Recenseamento Geral nos mesmos moldes do Censo de 1960, mantendo não somente os instrumentos de coleta como o esquema de amostragem adotado no censo anterior.

Já em 1980, o IBGE realizou o IX Recenseamento Geral que contou com importantes avanços tecnológicos que permitiram apresentar inovações na sua realização e na divulgação dos resultados. Dentre as inovações do Censo 1980 cabe destacar a utilização do sistema informatizado de acompanhamento de coleta, tornando mais eficiente todo o processo de supervisão e análise dos dados o que permitiu a divulgação dos primeiros resultados no mesmo ano de realização da pesquisa.

Para a operação do Censo 1990, o IBGE precisava contratar mais de 180 mil pessoas em caráter temporário. Quando a contratação desse contingente foi autorizada, em julho de 1990, não havia mais tempo hábil para se realizar o processo seletivo público dos recursos humanos destinados ao censo, cuja coleta de dados estava programada para se iniciar no mês de setembro. Por tal motivo, o IBGE decidiu realizar o Censo Demográfico de 1990 em 1991.

A partir do Censo de 1991, utilizaram-se pela primeira vez disquetes e sistemas informatizados de consulta aos microdados e dados agregados como forma de disseminação das informações censitárias.

O Censo 2000 representou um salto qualitativo em vários aspectos, dentre eles, destacam-se: a conversão, para meio digital, da base cartográfica dos 480 municípios com mais de 50 mil habitantes, compreendendo cerca de 61% da população brasileira; a informatização completa da rede nacional de agências do IBGE, levando a interligação por computador até a ponta de suas mais de 500 agências locais; a inauguração de um site na Internet para informar sobre o andamento da operação do censo, na captura das informações por leitura de caracteres e marcas (scanner), na automatização completa dos processos de crítica dos dados coletados e na formação de um Banco de Dados Multidimensional, para apoiar os processos de análise e tabulação de informações.

O XII Censo Demográfico realizado no Brasil, o Censo 2010, trouxe consigo importantes transformações nos métodos de trabalho, permitindo ao IBGE oferecer aos seus usuários retratos cada vez mais interativos e espacializados.
Relevantes avanços, principalmente tecnológicos, alguns já iniciados nos Censos 2007, que englobavam a Contagem da População 2007 e o Censo Agropecuário 2006, ocorreram antes e durante a sua execução, como, por exemplo:
• A construção de uma base territorial que saiu do modo analógico-digital para o digital, integrando mapas urbano e rural entre si e com o Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos - CNEFE;
• A incorporação do CNEFE, abrangendo todos os municípios brasileiros e trazendo mais segurança à coleta de dados, além de permitir diversas outras aplicações em outros projetos, como, por exemplo, na seleção de amostras e na utilização do correio ou da Internet para responder a determinadas pesquisas;
• A utilização de computadores de mão, os PDAs, que trouxe ganho de qualidade ao reduzir as possibilidades de erros na realização das entrevistas, pré-crítica automática e transmissão dos dados aos computadores locais;
• A utilização de GPS nos PDAs, que permite referenciar elementos físicos, inclusive para posterior utilização em projetos de políticas públicas, a exemplo do que foi realizado com escolas e estabelecimentos de saúde da área rural por ocasião dos Censos 2007; e
• O preenchimento de questionário pela Internet. Nesse caso, o morador que optava por essa modalidade recebia um envelope contendo e-tickets (códigos de acesso alfanuméricos) que lhe davam acesso ao questionário num site com segurança atestada por autoridade certificadora, garantindo a criptografia e o sigilo das informações prestadas.
Para testar todos os novos procedimentos resultantes das incorporações tecnológicas, foram realizados dois censos experimentais, avaliações e análises dos censos anteriores, testes cognitivos e provas-piloto para temas específicos, como: Pessoas Portadoras de Deficiência; Migrações Interna e Internacional; Populações Indígenas; Alfabetização; Saneamento, entre outros.

Esta grandiosa operação teve início em 2007 com o planejamento. A mobilização envolveu 5565 municípios, 316 574 setores censitários, 67,6 milhões de domicílios; cerca de 230 mil pessoas contratadas (coleta, supervisão e apoio, administrativo); centenas de computadores em rede nacional, rede de comunicação em banda larga, 220 mil computadores de mão equipados com receptores GPS, e cerca de 7 mil postos de coleta informatizados.

Saiba mais

https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/CD

Publications - Summary

Description

It is the major reference source to know the life conditions of the population in all the municipalities of Brazil and in their internal territorial divisions, having the resident person in the housing unit in the National Territory in the reference date as the data collection unit.

The Basic Questionnaire of the survey investigates information on the characteristics of the housing units (urban or rural status, number of bathrooms, existence of toilet, drainage of the bathroom or toilet, water supply, garbage disposal, existence of electricity, etc.); international emigration; composition of the housing units (number of residents, shared responsibility, list of residents, identification of the head, family relationship with the head of the household, etc.); characteristics of residents (sex and age, color or race, ethnicity and spoken language, in the case of Indians, ownership of birth registration, literacy, monthly earnings, etc.); and mortality. Selected housing units were investigated through the Sample Questionnaire, which includes more detailed items on the characteristics of the housing unit and residents in addition to those present in the Basic Questionnaire, as well as items on specific themes like disability, nuptiality and fertility.

The periodicity of the survey is decennial, except for the years of 1910 and 1930, in which the survey was canceled, and of 1990, whose operation was postponed to 1991.

The geographic coverage is nationwide, with results released for Brazil, Major Regions, Federation Units, Mesoregions, Microregions, Metropolitan Areas, Municipalities, Districts, Sub-districts and Enumeration Areas. 

Historical Overview

The first population census in Brazil was carried out in 1808, specifically aiming at military interests of recruiting for the Armed Forces. It caused the suspect that its results would have been far from reality, due either to the natural prevention of the population against census operations or, mainly, to its objectives. For historical purposes, the census carried out in 1872, called General Census of the Empire, is considered the first one in Brazil, due to its bigger complexity and, above all, to the control exerted on the whole operation. It was established by Decree no. 4,856, of December 30, 1871, and conducted by the General Directorate of Statistics, later discontinued in 1879. The census scheduled for 1880 was transferred to 1887, eventually remaining just as a project. The General Directorate of Statistics was reestablished by Decree no. 113-d, of January 2, 1890, which set the date of December 31, 1890 to carry out the I Census of the Republic. The II Decennial Census of the Republic began on December 31, 1900 in the entire Brazilian territory. Nevertheless, problems with the calculation of the data in the city of Rio de Janeiro, then Federal District, caused the appointment of a commission to study this issue, which concluded to cancel the results related to the city.  Based on a legal provision towards this aim, the Federal District carried out another survey just in 1906, completed in February 1907 and released in a special volume. Scheduled for December 31, 1910, the III Decennial Census of the Republic was transferred to June 30, 1911. The operation was definitively discontinued as a result of the political turmoil that Brazil was facing at the time. Carried out on September 1, 1920, the IV Decennial Census aimed at not only the population, yet also the economic situation of the localities. As a result, the industrial and agricultural production in Brazil were thoroughly investigated. Considering the decennial periodicity of the Brazilian censuses as established by law, the V General Census of Brazil should had taken place in 1930, yet a number of reasons, particularly those of political nature, hindered the operation that year. After the radical transformation of the statistical services in Brazil – creation of the National Council of Statistics - CNE and National Council of Geography - CNG, which, altogether, formed the IBGE, according to Decree-Law no. 218, of January 26, 1938 –, the V General Census of Brazil was carried out in 1940, corresponding to the fifth population census, second agricultural and industrial census, and first surveying on trade, transportation, communications and services.  Carried out in 1950, the VI General Census of Brazil included the Population Census, whose reference date was fixed on July 1st, and the Agricultural, Industrial, Trade and Services Censuses, as well as the special surveys on transportation and communications. That census integrated the Census of the Americas, sponsored by the Inter-American Statistical Institute - IASI, addressing a specific request from the United Nations - UN. Held on September 1, 1960, the VII General Census of Brazil also followed the basic guidelines established by those international organizations, in order to assure the consistency of the concepts and allow the comparability of the census results among the American nations. In this survey, the sampling technique was used for the first time in a Brazilian census. Integrated with the Census of the Americas, the VIII General Census of Brazil was carried out on September 1, 1970, encompassing the Population Census and the Property, Agricultural, Industrial, Trade and Services Censuses, as well as special surveys on credit institutions, insurance companies and companies in charge of producing and distributing electricity. The IBGE carried out the IX General Census of Brazil on September 1, 1980, which included not only the Population Census, yet also the Agricultural, Industrial, Trade and Services Censuses and, after previous surveys, integrated with the Census of the Americas, as suggested by the UN. That survey counted on technological advances that allowed innovations in the operation and dissemination of results, which were published in the same year of the operation for the first time ever. Due to budget restrictions, the Population Census was not carried out in 1990, being postponed to September 1, 1991. Compared with the previous censuses, the 1991 Population Census innovated in a number of technical, technological and operational aspects, highlighting also the institution of partnerships – Municipal Census Commissions - CCMs and the Advisory Commission –, which worked as a link between the IBGE and the society. The 2000 Population Census, which resumed the operation in years ending in zero, anticipated the reference date of the survey from September 1st to August 1st, and represented a qualitative leap in a number of aspects, particularly concerning the technological innovation – from the system that followed up the data collection to the data capture and to the automation of the processes of data coding, edit and tabulation, through the extensive use of digital technologies, providing the most appropriate media to each segment of users. Its implementation consolidated the statistical bonds among the countries of the Extended Mercosur, which also includes Argentina, Paraguay, Uruguay, Bolivia and Chile. Carried out on August 1st, the 2010 Population Census made important transformations in the work methods, providing users with even more interactive and specialized pictures, characterized by relevant methodological improvements and technological advances. Partnerships were improved and strengthened through the State Census Commissions - CCEs and Municipal Commissions of Geography and Statistics - CMGEs, aiming at expanding the integration between the IBGE and the local communities to gather cooperation and logistics support for the implementation of institutional surveys.

Time series

#seriehistorica201741154411744

#seriehistorica201741155034391

#seriehistorica201741155131672

Microdata

The microdata are the lowest level of disaggregation of the data of a survey, representing, in the form of numerical codes, the content of the questionnaires and preserving the statistical confidentiality aiming at the non-individualization of the information. The microdata are in ASCII format, allowing expert users with knowledge in programming, preferably in statistical software, to read the data, cross them in different geographic aggregations and create multiple tabulations according to their personal interest.

The microdata files are coupled with a support documentation that provides the names, codes and descriptions of the variables and their categories, complemented, whenever needed, with elements to compute the sampling errors.

2010 Census

Updating

March 11, 2016 - Variable v1005 - ENUMERATION AREA STATUS was included in the HOUSING UNIT, PERSON, EMIGRATION and MORTALITY files

Federation Units

Documentation

Tables - Federation Units and Municipalities (in zip format)

2000 Census

Updating

September 8, 2017 - It was detected that variable V0300 was not in the housing unit file.

March 9, 2016 - It was detected that the activity and employment files were incomplete and that it was necessary to include new codes in the documentation that matches the codes of 2000 and 1991.

June 19, 2015 - It was detected that parts of some records were corrupted. The files were replaced.

Federation Units

Downloads

Technical Information

Methodology of the survey carried out in 2010 (Methodological Reports Series, v. 41)

Methodology of the survey carried out in 2000 (Methodological Reports Series, v. 25)

Methodology of the survey carried out in 1980 (Methodological Reports Series, v. 4)


The changes that took place in the survey after the release of the methodological reports are presented either as Technical notes and/or Methodological notes. The technical notes either report or clarify specific issues on the survey, whereas the methodological notes address general aspects of the improvements, updates and/or revisions implemented, as well as complementary methodological aspects, whose clarifications have been made necessary before the release of a new formal volume of the Methodological Reports Series.

Technical notes

  • Technical note 01/2018 - Reinterpretation of the data on disabled persons in the 2010 Population Census, in the light of the recommendations of the Washington Group

News and Releases

2022 Census

2022 Census: Illiteracy rate falls from 9.6% to 7.0% in 12 years, though inequalities persist

Data from the 2022 Population Census show that, of the 163 million persons aged 15 years and over, 151.5...

17/05/2024

2022 Census

IBGE releases sex and age information for indigenous and quilombola populations in quilombola community in Paraty (RJ)

The Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) released this Friday, 3, the results of “2022...

03/05/2024

2022 Census

2022 Census: half of Brazilian indigenous population is under 25 years

The results of the 2022 Population Census show that the younger population has a higher weight among...

03/05/2024

2022 Census

2022 Census: Quilombola population is younger than entire Brazilian population

Of the 1.3 million quilombola persons in Brazil, nearly 24.7% were aged between 15 and 29 years, the...

03/05/2024

2022 Census

Census on your street: IBGE publishes results with a greater level of territorial detail

This Thursday (21/3), in Florianópolis, the IBGE held the Eighth Release of the 2022 Population Census,...

22/03/2024

2022 Census

2022 Census: information on population and housing units by enumeration areas helps public management

The IBGE has made available today (21) the total figures for resident population and for housing units...

21/03/2024

2022 Census

IBGE: Eighth release of Census results will take place in Florianópolis (SC) next week

The IBGE will release, on March 21, at 10 am, at the Auditorium of the Association of Municipalities...

15/03/2024

2022 Census

IBGE will release in Florianópolis (SC) new results of the 2022 Census

The IBGE will release, on March 21, at 10 am, at the Auditorium of the Association of the Municipalities...

11/03/2024

2022 Census

IBGE will release in Florianópolis data of the 2022 Census: Results Agreggated by Preliminary Enumeration Areas - Population and Housing Units

The city of Florianópolis, capital of the state of Santa Catarina, was chosen by the Brazilian Institute...

28/02/2024

2022 Census

2022 Census: sewerage reaches 62.5% of the population, but regional inequalities and inequalities by color and race persist

The proportion of housing units with access to the sewage collection system in Brazil reached 62.5% in...

23/02/2024

See more releases

Errata