Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

English Español
  Produção da Pecuária Municipal

IBGE divulga produção pecuária municipal de 20022

O rebanho brasileiro de maior número de animais em 2002 é o de galináceos. Na região Sudeste, responsável por 45% da produção de ovos do país, se encontram mais de 35% dos animais destinados à produção de ovos e à reposição do plantel, enquanto na região Sul estão mais de 50% dos animais destinados ao abate. Os dados sobre os demais rebanhos também se encontram na Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM 2002), que traça um perfil da produção brasileira de animais e de produtos de origem animal. Na mensuração do rebanho, a variável analisada é o efetivo de animais em 31/12/2002. Para os produtos de origem animal são pesquisados o preço e a quantidade produzida durante o ano de 2002.

Em termos gerais, o rebanho brasileiro se distribui da seguinte maneira (Tabela 1).

A criação de galos, frangos, frangas e pintos se concentra principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do país, que, juntas, representam 88,6% do plantel nacional. O desempenho da categoria das galinhas é mais representativo nas regiões Sudeste, Sul e Nordeste, que em conjunto participam com 85,74% do efetivo nacional desta espécie.

As regiões Sul e Sudeste apresentam características diferentes quando se avalia sua participação na produção de animais destinados à produção de ovos e à reposição do plantel em comparação com animais para abate. A região Sudeste concentra 35,93% da produção de galinhas, enquanto a região Sul é responsável por 28,89%. Já na categoria de galos, frangas, frangos e pintos, a participação da região Sul é de 51,59%, e a da Sudeste é de 26,13%. Esse contraste está ligado à especialização do plantel nestas regiões, pois no Sudeste tem-se os estados de São Paulo e Minas Gerais, que se voltam, sobretudo, à produção de aves de postura, enquanto os estados do Sul, a animais de corte. Confirma essa informação a liderança da região Sudeste na produção de ovos de galinha, com mais de 45% do total nacional, destacando-se a produção de São Paulo e Minas Gerais. O Sul ocupa o segundo lugar entre as grandes regiões brasileiras, com ênfase nos estados do Paraná e Rio Grande do Sul.

Mandirituba, no Paraná, lidera a produção de galináceos para abate em 2002

Galos, frangos, frangas e pintos constituem o maior efetivo nacional em número de cabeças. A maior concentração ocorre na região Sul do país, com um efetivo de 375.492.067 animais. Somente esta região concentra 51,59% do plantel nacional, tendo por finalidade a obtenção de animais para abate.

Entre os dez principais municípios produtores (Tabela 2), Mandirituba, no Paraná, destaca-se pelo crescimento, mantendo a primeira posição conquistada no ano de 2001. O crescimento registrado em Toledo, no Paraná, se deve ao estabelecimento de novas granjas na região. No município de Itá, em Santa Catarina, a produção cresceu em função do fortalecimento do sistema de parceria entre produtor e indústria na localidade.

Bastos, em São Paulo, tem o maior número de galináceos para produção de ovos

Nesta categoria, enquadram-se os animais especializados na produção de ovos e reposição do plantel. A maior participação regional foi verificada na região Sudeste do Brasil, que concentra 35,91% da produção nacional. Merecem destaque os estados de São Paulo e Minas Gerais, participando com, respectivamente, 38.371.975 e 21.075.639 animais. Bastos, em São Paulo, tem a liderança entre os municípios brasileiros, com uma produção mais de duas vezes superior ao segundo colocado, Itanhandu MG (Tabela 3).

Corumbá MS tem o maior rebanho de bovinos do Brasil

O segundo rebanho brasileiro em termos de número de cabeças é o de bovinos. As regiões mais representativas são: Centro-Oeste (35,37%), Sudeste (20,46%), Norte (16,41%) e Sul (14,85%). O crescimento da produção das regiões Centro-Oeste e Norte do país vem sendo registrado desde o fim da década de 1980, superando áreas tradicionais de pecuária bovina, como as do Sul. Os principais rebanhos de bovinos encontram-se nos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás.

O rebanho nacional de bovinos pode ser especializado ou de natureza mista, tendo gado tanto para corte quanto para a produção de leite. O maior número de vacas ordenhadas se registra no Sudeste do país, mais precisamente no estado de Minas Gerais, seguido do Centro-Oeste, em Goiás. Numa verificação mais detalhada, porém, observa-se que embora o Sudeste tenha o maior número de vacas ordenhadas, a produtividade média de leite por vaca é maior na região Sul, com 1.845 litros por vaca ordenhada, contra 1.246 litros no Sudeste.

Os principais municípios produtores em 2002 são: Corumbá e Ribas do Rio Pardo, ambos no Mato Grosso do Sul, e São Félix do Xingu, no Pará. Os dez principais municípios (Gráfico 2) concentram cerca de 5% do rebanho nacional de bovinos.

Com relação ao ano anterior, praticamente não houve alterações no quadro da pecuária nacional, tendo havido apenas troca de posições entre os dez municípios detentores dos maiores rebanhos.

No ano de 2001, o município de São Félix do Xingu, no Pará, pulou da sétima posição para a terceira em apenas um ano. Em 2002, o município consolidou-se como detentor do terceiro rebanho nacional. O município tem importância também na produção de leite e ocupa a segunda posição no cenário nacional. O principal produtor de leite é o município de Castro, no Paraná.

No ano de 2002, o município de Nova Crixás, em Goiás, que ocupava a 21ª posição em 2001, passa para a 10ª, devido ao crescimento de 31% de um ano para o outro. Este aumento pode ser explicado pela instalação de novas unidades frigoríficas na região, pois a proximidade das unidades fornecedoras com relação às unidades processadoras, diminui os custos de organização da produção.

Uberlândia MG é líder na produção de suínos, mas Rio Verde GO também se destaca

O quarto lugar em efetivo de rebanho é ocupado pela categoria dos suínos. As principais regiões produtoras são o Sul (42,63%), o Nordeste (22,16%), o Sudeste (18,01%) e o Centro-Oeste (10,35%). Os estados do Sul (Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul) são os maiores produtores, seguidos de Minas Gerais, Bahia e São Paulo. A produção tradicional de suínos ocorre em praticamente todo o país e convive com pólos regionalizados especializados na produção comercial.

O destaque da Região Sul na produção de suínos não é recente, sendo resultado de um processo histórico de desenvolvimento da suinocultura, em conciliação com um sistema de integração do produtor com a indústria de processamento.

Os dez principais municípios produtores de suínos no Brasil (Gráfico 3) concentram cerca de 7,13% do rebanho nacional. Em 2002, houve variação na posição ocupada pelos principais municípios, com destaque para o crescimento da suinocultura no município de Rio Verde, em Goiás, que passa da 15ª posição em 2001 para a 5ª em 2002. O crescimento coincide com o desenvolvimento das culturas do milho e da soja em Rio Verde, tendência verificada desde o início da década de 1990, e tem relação também com a implantação de projetos para produção de aves, suínos e bovinos no município.

Houve redução na produção de suínos entre os dez principais municípios produtores brasileiros, devido à crise enfrentada pela produção no período, causada pelo problema de abastecimento de milho no mercado e pelas desvalorizações cambiais ocorridas em 2002.

Região Sudeste detém mais de metade da produção nacional de ovos de codorna

A produção de ovinos ocorre com maior freqüência nas regiões Nordeste (com 56,07%) e Sul (32,80%) do país. O principal estado produtor do Brasil é o Rio Grande do Sul, e o segundo, a Bahia.

Também na região Nordeste se concentra a maior parte da produção de caprinos do país, com 93,23% do efetivo nacional. Os estados principais são: Bahia, Pernambuco e Piauí.

Quanto à produção de codorna, verifica-se maior concentração na região Sudeste do país, destacando-se o estado de São Paulo que engloba sozinho mais de 38% do efetivo nacional.

Na produção de ovos de codorna, a líder é a região Sudeste, que detém mais de 57% da quantidade produzida nacionalmente. Somente o estado de São Paulo produz 28,81% do total nacional de ovos de codorna. São importantes também Minas Gerais, Pernambuco, Bahia e os estados do Sul.

A maior concentração de bubalinos se verifica na região Norte do país, principalmente no estado do Pará, que detém 41,42% da produção nacional. Destacam-se também os estados do Amapá, do Rio Grande do Sul, do Maranhão e do Paraná.

Comunicação Social
27 de novembro de 2003



A Instituição | Locais de Atendimento | Estatísticas do Site | Prestação de Contas | Editais e Licitações