Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

English Español
  Cadastro Central de Empresas

Número de empresas cresce 6,5% em 2000

Estudo feito a partir do Cadastro Central de Empresas 2000 revela que, em comparação a 1999, o número de empresas aumentou 6,5%, o número de pessoas ocupadas cresceu 4,6% e o total de assalariados aumentou 5,1%. Já o salário médio mensal teve aumento nominal de 6,2%, mas caiu de 5,2 para 5,0 salários mínimos.

  1999 2000 Variação relativa Variação absoluta
Número de empresas 3.872.075 4.124.343 6,5% 252.268
Pessoal ocupado 29.232.929 30.588.955 4,6% 1.356.026
Assalariado 23.814.290 25.032.445 5,1% 1.218.155
Sócios e proprietários 5.418.639 5.556.510 2,5% 137.871
Total de salários e outras remunerações R$ 214,2 bilhões R$ 239,1 bilhões 11,6% R$ 24,9 bilhões

As informações do Cadastro Central de Empresas do IBGE são atualizadas anualmente com base nas pesquisas anuais do IBGE nas áreas de Indústria, Comércio, Serviços e Construção, e em dados do Ministério do Trabalho (RAIS – Relação Anual de Informações Sociais). São analisadas apenas as empresas inscritas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ).

Demografia de Empresas

A cada 10 novas empresas criadas, outras 6,45 são fechedas

Uma novidade introduzida na publicação deste ano é o estudo da demografia das empresas, que quantifica os nascimentos (criações) e mortes (encerramentos) de firmas no período de 1997 a 2000. A análise revela que, em 2000, para cada 10 novas empresas criadas no País, outras 6,45 foram fechadas.

Nascimentos e mortes das empresas no Brasil - 2000
  Faixas de pessoal ocupado total
Até 4 5 - 9 20-99 100-499 500 e mais Total
Número de empresas em 1999 3.176.809 563.955 104.990 21.062 5.259 3.872.075
Nascimentos em 2000 659.364 45.264 4.894 634 102 710.258
Mortes em 2000 426.856 27.120 3.235 672 107 457.990
Mudança de porte (18.927) 11.756 6.173 683 315 0
Variação líquida em 2000 213.581 29.900 7.832 645 310 252.268
% de variação líquida em 2000 6,72% 5,30% 7,46% 3,06% 5,89% 6,52%
Número de empresas em 2000 3.390.390 593.855 112.822 21.707 5.569 4.124.343

Os dados da tabela mostram que, quanto menor o porte das empresas, maiores suas taxas de natalidade e mortalidade. Cerca de 93% das empresas criadas a cada ano ocupam até 4 pessoas. Em 2000, do total de 710.258 novas empresas criadas, 659.364 estavam nessa faixa. Ao mesmo tempo, do total de 457.990 empresas que foram fechadas, 426.856 pertenciam a esse grupo.

Porte das Empresas

Grandes pagam salário 2,7 vezes maior que pequenas.

Quando se comparam as empresas por porte, nota-se que as empresas de menor porte (até 4 pessoas ocupadas), apesar de totalizarem 82,1% das empresas do País, têm pequena participação no montante de salários e outras remunerações (2,5%). Sua contribuição para o emprego também é pequena: elas ocupam 4,5% do pessoal assalariado. Enquanto isso, as empresas com 500 ou mais pessoas ocupadas correspondem a apenas 0,1% das empresas do País, mas pagam 62,3% do total de salários e empregam 45,6% dos assalariados.

Em 2000, o salário médio mensal pago pelas unidades com até 9 trabalhadores era de 2,5 salários mínimos, enquanto as empresas com 500 ou mais funcionários pagavam em média 6,9 salários mínimos. Ou seja, nas grandes empresas, os salários são 2,7 vezes maiores que nas pequenas. O salário médio aumenta conforme o porte. Apenas as empresas com 500 ou mais funcionários pagam mais que a média geral de 5 salários mínimos.

Nas pequenas empresas é expressiva a participação de proprietários e sócios no pessoal ocupado. Do total de 5.556.510 sócios e proprietários de empresas, 74,1% (4.117.567) atuam em unidades que ocupam até 4 pessoas. As empresas que ocupam 500 pessoas ou mais (5.569), por sua vez, contam com 30.745sócios e proprietários ou 0,6% do total.

Seções de atuação

Administração Pública é atividade que mais emprega e gera salários.

As empresas da Administração Pública1 concentram a maior proporção de pessoas assalariadas (23,6%) e de salários pagos (27%) entre as 15 seções de atividade investigadas. A Indústria de Transformação também se destaca, com 20,6% do emprego e 22,4% dos salários. A atividade com o maior número de empresas (49,8%) é o Comércio. Juntas, essas três seções empregam 60,6% do pessoal assalariado e pagam 59,2% dos salários e outras remunerações.

As seções que pagam os maiores salários médios são Intermediação Financeira (13,8 salários mínimos) e Produção e Distribuição de Eletricidade, Gás e Água (11,7). Os menores salários médios são pagos pelas seções de Alojamento e alimentação (2,2) e Pesca (2,2). Essas diferenças são explicadas por diferentes níveis de qualificação da mão-de-obra e guardam relação com o tamanho das empresas.

Análise Regional

São Paulo emprega mais que a soma das regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte.

A Região Sudeste concentra 51,3% das empresas do País. Dessas, 58,6% localizam-se no estado de São Paulo. A Região Sul conta com 23,4% das empresas. A Região Nordeste possui 15,1%, a Centro-Oeste, 7,0%, e a Norte, 3,3%. Os percentuais são próximos aos de 1999.

A distribuição do pessoal assalariado também evidencia a desigualdade entre as regiões. A região Sudeste emprega 53,3% das pessoas assalariadas. A Região Sul é a segunda que mais emprega, com um percentual de 17,7% dos assalariados. Para ilustrar a concentração do emprego, o estado de São Paulo emprega 30,9% do pessoal assalariado do País, que é maior que os 29,1% que correspondem à soma das regiões Nordeste (16,9%), Centro-Oeste (8,0%) e Norte (4,2%).

Comunicação Social
26 de agosto de 2002

Cadastro de Empresas

A Instituição | Locais de Atendimento | Estatísticas do Site | Prestação de Contas | Editais e Licitações