Síntese de Indicadores Sociais - SIS

Menu do Produto

O que é

Analisa a qualidade de vida e os níveis de bem-estar das pessoas, famílias e grupos populacionais, a efetivação de direitos humanos e sociais, bem como o acesso a diferentes serviços, bens e oportunidades, por meio de indicadores que visam contemplar a heterogeneidade da sociedade brasileira sob a perspectiva das desigualdades sociais.

A Síntese de Indicadores Sociais teve início em 1998. Sua origem remonta à publicação Indicadores sociais: relatório 1979, também do IBGE, que, rompendo com a hegemonia de indicadores econômicos para estes fins, em especial o Produto Interno Bruto - PIB, avançou na proposição de um novo escopo de avaliação das condições de vida da população, contemplando, à época, questões relacionadas a População e famílias, Divisão do trabalho, Mobilidade ocupacional da força de trabalho, Distribuição de renda, Despesa familiar, Habitação, Educação e Saúde. Até a edição de 2016, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD constituiu a sua principal fonte de informação, complementada com outras estatísticas, tanto do IBGE como de fontes externas. Com o encerramento da PNAD e sua substituição pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua, esta passou a ser a principal fonte de informação do estudo, somando-se a ela, da mesma forma, outras estatísticas internas e externas.

Ao longo de sua existência, o estudo tem procurado abarcar uma série de informações essenciais para o mapeamento das desigualdades e seus efeitos sobre a realidade social brasileira, com vistas não só à incorporação de assuntos atuais e relevantes para as políticas públicas, como também ao aprofundamento das análises a partir do eixo das desigualdades de gênero, cor ou raça e grupos de idade.

A periodicidade do estudo é anual, exceto nos anos de realização do Censo Demográfico. Sua abrangência geográfica é nacional, com resultados divulgados para Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Regiões Metropolitanas e Municípios das Capitais.

Sobre a publicação - 2018

Uma análise das condições de vida da população brasileira

2018

Esta publicação reúne múltiplas informações sobre as condições de vida da população brasileira , acompanhadas de comentários que destacam, em cada uma das dimensões temáticas de análise, algumas das principais características observadas nos diferentes estratos populacionais, com base em indicadores que visam contemplar a heterogeneidade da sociedade sob a perspectiva das desigualdades sociais.

Ao longo de sua existência, a Síntese de Indicadores Sociais tem abarcado uma série de temas essenciais para o mapeamento dessas desigualdades e seus efeitos sobre a realidade social brasileira, sempre procurando incorporar assuntos atuais e relevantes para as políticas públicas. Com este propósito, a presente edição aprofunda a análise de tais questões a partir de três recortes primordiais : Mercado de trabalho, Padrão de vida e distribuição de renda e Educação. O primeiro capítulo relaciona a dinâmica do mercado de trabalho com o comportamento da economia entre 2012 e 2017, procurando ressaltar suas desigualdades estruturais, sobretudo aquelas evidenciadas pelo desemprego e a informalidade incidentes entre os grupos populacionais considerados mais vulneráveis, como pretos ou pardos, mulheres e jovens. O segundo capítulo aborda a questão das desigualdades a partir de indicadores de distribuição de rendimento; acesso a bens e serviços relacionados a condições de moradia; pobreza monetária; e restrições de acesso em múltiplas dimensões, como rendimentos, consumo, e disponibilidade de bens e serviços considerados essenciais para o sustento. O terceiro capítulo, por fim, trata da temática da educação, considerando dois níveis distintos: educação infantil e ensino superior.

Os indicadores são fartamente ilustrados com tabelas e gráficos para diferentes desagregações territoriais, chegando ao nível de Municípios das Capitais.  Esse conjunto de informações também está disponibilizado no portal do IBGE na Internet, com tabelas que incluem indicadores apresentados no volume impresso e indicadores adicionais, com seus respectivos coeficientes de variação.

A principal fonte de informação para a construção dos indicadores ora divulgados é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua, de 2012 a 2017 , do IBGE, complementada com outras estatísticas do Instituto provenientes do Sistema de Contas Nacionais - SCN. Utilizou-se ainda como fonte os registros do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP.

A sistematização desses indicadores atende a recomendações internacionais e contribui para a compreensão das modificações nos perfis demográfico, social e econômico da população, possibilitando, assim, o monitoramento de políticas sociais e a disseminação de informações relevantes para toda a sociedade brasileira.

Principais resultados - 2018

Nenhum conteúdo disponível para exibição

Tabelas - 2018

Tabelas

Trabalho (xls | ods)

Rendimento (xls | ods)

Educação (xls | ods) 

Índice das tabelas

Quadros sintéticos - 2018

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Microdados - 2018

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Informações técnicas

    Até a edição de 2016, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD constituiu a principal fonte de informação da Síntese de Indicadores Sociais, complementada com outras estatísticas, tanto do IBGE como de fontes externas. Com o encerramento da PNAD e sua substituição pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua, esta passou a ser a principal fonte de informação do estudo, somando-se a ela, da mesma forma, outras estatísticas internas e externas.

    Considerações metodológicas sobre ambas as pesquisas podem ser obtidas, respectivamente, nos seguintes endereços:

     

    Séries históricas

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Microdados

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Portaria de precedência

    Downloads

    Conceitos e métodos - 2018

    As informações a seguir descrevem os metadados estatísticos, que são o conjunto de conceitos, métodos e aspectos relacionados às estatísticas, e são informações necessárias para compreender as características e a qualidade das estatísticas e interpretá-las corretamente.

    Informações Gerais

    Objetivo
    Possibilitar o conhecimento da realidade brasileira, visando avaliar a qualidade de vida e os níveis de bem-estar das pessoas, as famílias e grupos sociais, a efetivação de direitos humanos e sociais, o acesso a diferentes serviços, bens e oportunidades.
    Tipo de operação estatística
    Sistema de indicadores síntese
    Tipo de dados
    Dados de Censo, Dados de pesquisa por amostragem probabilística, Registros administrativos, Indicadores
    Periodicidade de divulgação
    Anual
    Abrangência geográfica
    Nacional
    População-alvo
    População Residente nos domicílios particulares permanentes, nas áreas urbana e rural.

    Metodologia

    Elabora e analisa indicadores da população brasileira, construídos a partir de dados do IBGE, do Censo Demográfico e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, e de outras instituições, abrangendo temas como características da população, educação, crianças e adolescentes, família, trabalho e rendimento, saúde, cor ou raça, idosos, saneamento e habitação, entre outros.
    Técnica de coleta:
    Não se aplica
    Procedimento de amostragem
    Não se aplica
    Crítica e imputação
    Não se aplica

    Temas

    Temas e subtemas
    Família, Grupos populacionais específicos, Trabalho, Trabalho remunerado, Outras formas de trabalho, Rendimento, despesa e consumo, Gênero, População, Condições de vida, pobreza e desigualdade, Educação, Características gerais da população, Habitação, Componentes da dinâmica demográfica e estatísticas vitais
    Principais variáveis
    Trabalho:
    - Variação em volume do Produto Interno Bruto per capita e do consumo das famílias
    - Taxa de desocupação, nível de ocupação e taxa de participação
    - Participação dos trabalhadores com 16 anos ou mais de idade, em categorias de posição na ocupação definidas
    - Números absolutos e proporção da população de 16 anos ou mais de idade ocupada
    - Pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas no trabalho principal e variação entre períodos selecionados
    - Dados da sindicalização, segundo os grupos de atividades econômicas
    - Rendimento médio habitual mensal do trabalho principal e variação entre períodos selecionados
    - Rendimento médio habitual mensal do trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade
    - Razão entre os rendimentos médios do trabalho principal dos 10% com os maiores rendimentos e os 40% com os menores rendimentos
    - Percentual das pessoas de 16 anos ou mais de idade desocupadas na semana de referência
    - Taxa de desocupação das pessoas de 16 anos ou mais de idade
    - Taxa composta de subutilização da força de trabalho das pessoas de 16 anos ou mais de idade
    - Taxa de subutilização da força de trabalho das pessoas de 16 anos ou mais de idade
    - Proporção da população de 16 anos ou mais de idade ocupada na semana de referência
    - Distribuição percentual das pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas na semana de referência
    - Proporção da população ocupada em trabalhos informais, segundo as Unidades da Federação
    - Rendimento médio do trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas na semana de referência
    - Razão entre o rendimento médio do trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas na semana de referência, em trabalhos informais e formais, segundo o sexo e a cor ou raça
    - Razão entre os rendimentos médios (10/40) da população ocupada de 16 anos ou mais de idade, com os maiores rendimentos (10%) e com os menores rendimentos (40%)
    - Taxa de desocupação das pessoas de 16 a 29 anos de idade
    - Proporção de pessoas de 16 a 29 anos de idade ocupadas na semana de referência em trabalhos formais
    - Distribuição percentual de jovens de 16 a 29 anos de idade, segundo o tipo de atividade na semana de referência
    - Proporção de jovens de 16 a 29 anos de idade que não estudavam e não estavam ocupados na semana de referência


    Padrão de vida e distribuição de renda:
    - Rendimento mensal domiciliar per capita médio dos arranjos residentes em domicílios particulares
    - Índice de Gini da distribuição do rendimento mensal das pessoas de 15 anos ou mais de idade com rendimento, segundo as Grandes Regiões
    - Índice de Palma do rendimento de todas as fontes das pessoas de 10 anos ou mais de idade com rendimentos
    - Proporção da população preta ou parda de 10 anos ou mais de idade com rendimentos, em relação aos 10% maiores rendimentos e ao total com rendimentos mensais domiciliares per capita
    - Pessoas residentes em domicílios particulares, total e respectiva distribuição percentual, por classes de rendimento mensal domiciliar per capita selecionadas e valor de 50% da mediana do rendimento domiciliar per capita no nível geográfico
    - Proporção de pessoas residentes em domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar per capita inferior a US$ 5,5 dólares por dia em paridade de poder de compra


    Domicílios:
    - Proporção das pessoas residentes em domicílios particulares, total e com rendimento domiciliar per capita abaixo de US$ 5,5 dólares por dia em paridade de poder de compra
    - Proporção da população residente em domicílios sem banheiro ou sanitário de uso exclusivo dos moradores
    - Proporção da população residente em domicílios com paredes externas construídas predominantemente com materiais não duráveis
    - Proporção da população residente em domicílios excessivamente adensados
    - Proporção da população residente em domicílios com ônus excessivo com aluguel
    - Proporção de pessoas residentes em domicílios com ocorrência de inadequações nas condições de moradia
    - Proporção de pessoas residentes em domicílios com acesso simultâneo aos três serviços de saneamento básico
    - Proporção das pessoas residentes em domicílios particulares, total e com rendimento domiciliar per capita abaixo de US$ 5,5 dólares por dia em paridade de poder de compra, segundo a presença de alguns bens duráveis no domicílio e acesso a tecnologia
    - Total e proporção de pessoas residentes em domicílios particulares permanentes com restrições de acesso
    - Contribuição das diversas restrições de acesso na incidência ajustada

    Mobilidade social:
    - Mudanças na estrutura ocupacional
    - Mobilidade ocupacional das pessoas de 25 a 65 anos de idade
    - Distribuição percentual dos estratos ocupacionais dos filhos de 25 a 65 anos de idade
    - Percentual de mobilidade ocupacional ascendente de longa distância
    - Mudanças na estrutura educacional
    - Distribuição percentual do nível de instrução dos filhos de 25 a 65 anos de idade
    - Percentual de mobilidade educacional ascendente de longa distância
    - Proporção de pessoas de 25 a 65 anos de idade que completaram três transições educacionais condicionais
    Palavras-chave
    Aspectos demográficos, grupos sociodemográficos, crianças, adolescentes, jovens, idosos, famílias, educação, trabalho, renda, distribuição de renda, domicílios, síntese, indicadores, pnad

    Unidades de informação

    Unidade de investigação
    Pessoa, Domicílio
    Unidade de análise
    Pessoa
    Unidade informante
    Pessoa, Domicílio.

    Períodos de referência

    Ano - 01/01/2017 a 31/12/2017

    Disseminação

    Formas de disseminação
    Publicação Digital (online)
    Nível de desagregação geográfica
    Município da Capital
    Nível de divulgação
    Os resultados são divulgados para o Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Regiões Metropolitanas e Municípios das Capitais

    Histórico

    A Síntese de Indicadores Sociais é uma publicação anual que teve início em 1998. Sua origem no IBGE remonta ao relatório de Indicadores Sociais, publicado nesta instituição em 1979 e que teve, entre seus objetivos, avançar na proposição de novos indicadores de avaliação das condições de vida da população, rompendo, com isso, com a hegemonia de indicadores econômicos para estes fins, em especial o Produto Interno Bruto.

    Saiba mais

    https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/XS

    Calendário


    Divulgações anteriores

    Operação estatísticaData da divulgação
    Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira
    Período de referência: 2018
    05/12/2018

    Notícias e releases

    Ver mais notícias

    Material de apoio

    Nenhum material de apoio cadastrado para esse item

    Erramos

    • Correção de gráfico publicado na Agência IBGE Notícias

      Data de publicação: 06/12/2018 03:12

      Descrição:
      No gráfico "de frequência à escola ou creche por nível de instrução do morador mais escolarizado (%)", publicado na Agência IBGE Notícias em 05/12/2018, às 10h, a proporção correta para o morador com nível superior completo é de 96%, e não de 62,2%.
      Ações: Gráfico corrigido e publicado no dia 06/12/2018, às 11h15.

    • Erro de calendário na divulgação da Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira 2018

      Data de publicação: 24/08/2018 02:08

      Descrição:

      Erro, identificado pelo IBGE, pelo não cumprimento da data de divulgação da pesquisa, conforme calendário disponibilizado em dezembro de 2017.

      Em virtude da necessidade de readequação de prazos, a data de divulgação dos resultados da Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira 2018 foi reagendada para 5 de dezembro.

      Ações: O calendário de divulgação foi alterado.