Produção Agrícola Municipal - PAM

Menu do Produto

O que é

Investiga um conjunto de produtos das lavouras temporárias e permanentes do País que se caracterizam não só pela grande importância econômica que possuem na pauta de exportações, como também por sua relevância social, componentes que são da cesta básica do brasileiro, tendo como unidade de coleta o município.

A Produção Agrícola Municipal - PAM teve início no Ministério da Agricultura em 1938. Suas informações eram levantadas pela Rede de Coleta do IBGE, cabendo ao Ministério a elaboração dos questionários, a apuração, a crítica e a divulgação dos resultados. Com a publicação do Decreto n. 73.482, de 17.01.1974, o Instituto tornou-se responsável por todas as fases da pesquisa a partir daquela data, bem como pelos demais inquéritos estatísticos relacionados ao setor agropecuário. As estatísticas relativas aos anos de 1971 e 1972, porém, não estão disponíveis por não terem sido divulgadas pelo Ministério.

A pesquisa fornece informações sobre área plantada, área destinada à colheita, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e preço médio pago ao produtor, no ano de referência, para 64 produtos agrícolas (31 de culturas temporárias e 33 de culturas permanentes). As culturas temporárias, cabe destacar, são as de curta ou média duração, uma vez que seu ciclo reprodutivo é inferior a um ano, e, depois de colhidas, precisam de um novo plantio. As culturas permanentes, por outro lado, são as de ciclo longo, cujas colheitas podem ser feitas por vários anos sem a necessidade de novo plantio. A PAM é integrada ao Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA, isto é: todos os dados referentes aos produtos agrícolas investigados pelo LSPA durante o ciclo da cultura migram automaticamente para a PAM, em 31.12, o que constitui uma consolidação anual dos dados mensais obtidos por aquele levantamento.

A periodicidade da pesquisa é anual. Sua abrangência geográfica é nacional, com resultados divulgados para Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Mesorregiões, Microrregiões e Municípios. As informações municipais para cada produto somente são prestadas a partir de um hectare de área ocupada com a cultura e uma tonelada de produção.

Sobre a publicação - 2007

Os cereais, leguminosas e oleaginosas, pesquisados pela Produção Agrícola Municipal - PAM, comumente chamados “grãos”, têm grande importância econômica e social e, alguns deles, são commodities. Os produtos deste grupo destacam-se por seu uso na produção de óleos comuns alimentícios e na geração de energia; atendem também às indústrias alimentares (massas, pães, biscoitos, etc.) e de ração; e alguns são importantes componentes da cesta básica do brasileiro.

Os dados relativos aos 15 produtos selecionados para esta publicação (algodão arbóreo e o herbáceo, amendoim, arroz, aveia, centeio, cevada, feijão, girassol, mamona, milho, soja, sorgo granífero, trigo e triticale) estão apresentados em duas tabelas. A Tabela 1 contém os totais relativos às variáveis área plantada, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção. A Tabela 2 apresenta dados para as mesmas variáveis para cada produto investigado, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação.

Nesta publicação, cujo o ano de referência é 2007, contém um CD-ROM encartado com o plano tabular de divulgação da pesquisa por Unidades da Federação, mesorregiões, microrregiões geográficas e municípios. Além disso, neste CD-ROM há uma tabela-resumo que concentra todas as informações das lavouras, ordenando-se pelo valor decrescente de área colhida, incluindo também uma série histórica de área colhida e quantidade produzida, pesquisadas pela Produção Agrícola Municipal - PAM, de 2003 a 2007.

Por fim, registra-se que as estatísticas, aqui apresentadas, estão sujeitas a revisão e serão divulgadas em caráter definitivo na publicação completa da PAM, em novembro de 2008.

Principais resultados - 2007

Nenhum conteúdo disponível para exibição

Tabelas - 2007

Tabelas (em formato zip)

Tabelas


O IBGE adota uma política de revisão de dados divulgados desta operação estatística. Por revisão de dados entende-se toda e qualquer revisão programada de dados numéricos, em que são disponibilizadas novas informações que não estavam acessíveis quando da primeira divulgação, tais como: um dado tardio que substitui uma não resposta; ou um dado corrigido pelo próprio informante; ou um conjunto de dados que foi submetido a processo de crítica e imputação. Para informações mais detalhadas sobre a política de revisão de dados divulgados das operações estatísticas do IBGE,  consultar a relação das pesquisas conjunturais, estruturais e especiais realizadas pelo Instituto, com o respectivo procedimento de revisão adotado, no endereço: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=298009.

Quadros sintéticos - 2007

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Microdados - 2007

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Informações técnicas

    Metodologia da pesquisa (Série Relatórios Metodológicos, v. 6) 

    Metodologia da pesquisa (Série Relatórios Metodológicos, v. 3) 

    As alterações ocorridas na pesquisa posteriormente à divulgação dos relatórios metodológicos são apresentadas sob a forma de Notas técnicas. Até 2016, essas notas constituem um capítulo próprio das publicações de resultados e, a partir de 2017, são divulgadas em separado. Para conhecê-las, consultar o seguinte endereço: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=766

    Séries históricas

    #seriehistorica20178411264192

    #seriehistorica201784112835988

     

    Microdados

    Nenhum conteúdo disponível para exibição

    Portaria de precedência

    Downloads

    Conceitos e métodos - 2007

    As informações a seguir descrevem os metadados estatísticos, que são o conjunto de conceitos, métodos e aspectos relacionados às estatísticas, e são informações necessárias para compreender as características e a qualidade das estatísticas e interpretá-las corretamente.

    Informações Gerais

    Objetivo
    A Produção Agrícola Municipal destina-se a fornecer informações sobre a áreas de lavouras, produção obtida, rendimento médio e valor da produção para 31 produtos agrícolas das lavouras temporárias e 33 produtos das lavouras permanentes, em nível de Município, Microrregiões, Mesorregiões, Unidades da Federação, Grandes Regiões e Brasil.
    Tipo de operação estatística
    Pesquisa agrícola
    Tipo de dados
    Dados de pesquisa subjetiva
    Periodicidade de divulgação
    Anual
    População-alvo
    Conjunto de municípios que produzem um ou mais produtos investigados na pesquisa. Os produtos agrícolas que no município não atinjam a um (1) hectare de área plantada ou destinada à colheita e uma tonelada de produção no ano de referência, deixam de ter suas informações consideradas na pesquisa.

    Metodologia

    A coleta das informações da PAM é realizada mediante aplicação de um questionário em cada município do País, o qual é preenchido pelo Agente de Coleta do IBGE.
    As estimativas obtidas pelos agentes resultam de contatos que os mesmos mantêm com técnicos do setor agrícola, com produtores e, ainda, do próprio conhecimento que o agente possui sobre as atividades agrícolas dos municípios ou região onde atua. Para determinadas culturas consultam-se, ainda, entidades específicas de controle e incentivo, que detêm as melhores informações sobre os produtos de seu interesse.

    Para os produtos investigados pela PAM, que são acompanhados mensalmente pelo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA, os dados são obtidos mensalmente, segundo a orientação do Supervisor Estadual de Pesquisas Agropecuárias, pela rede de coleta do IBGE, técnicos de outros órgãos que atuam na área, produtores e outros colaboradores sediados nos diversos municípios e representantes técnicos de entidades públicas e privadas que participam dos colegiados técnicos de estatísticas agropecuárias em nível estadual, regional e municipal (Grupos de Coordenação de Estatística Agropecuárias - GCEA, Comissões Regionais de Estatísticas Agrícola - COREA e Comissões Municipais de estatísticas Agropecuárias - COMEA).

    Para determinadas culturas consultam-se, ainda, entidades específicas de controle e incentivo, que detêm as melhores informações sobre os produtos de seu interesse.

    Os produtos agrícola que no município não atinjam a um (1) hectare de área plantada ou destinada à colheita e uma tonelada de produção no ano de referência, deixam de ter suas informações consideradas na pesquisa.

    Cada produto possui características próprias de distribuição espacial, que decorrem das condições edafoclimáticas das áreas produtoras, tipo de exploração e fatores de ordem agronômica, e, consequentemente, o seu próprio calendário agrícola. Na prática, no entanto, fica a cargo do Agente de Coleta a escolha de onde e a época mais adequada para se obter as informações, sem necessariamente recorrer ao calendário. Por todas essas razões, e ainda procurando atender ao período de referência estabelecido, ou seja, o ano civil, há necessidade de se utilizar alguns procedimentos complementares para o levantamento dos dados:

    a) Para produtos agrícolas cujos períodos de colheita se desenvolvam inteiramente dentro de um mesmo ano civil, não há necessidade de se introduzir outros procedimentos além dos já abordados. Tal ocorre com o algodão, o arroz, o café, o fumo, a juta, a malva, a mamona, a fava e a soja. 

    b) Para os produtos agrícolas amendoim, batata-inglesa, milho e feijão que, na maioria das Unidades da Federação das Regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, bem como em algumas regiões do Nordeste, permitem a obtenção de duas safras distintas dentro de um mesmo ano civil, cada safra é investigada em separado, e os resultados são somados para efeito de estimativa total, no ano considerado. Para fins estatísticos, as produções de safrinhas, ou safras intermediárias, são agregadas, respectivamente, à primeira ou à segunda safra, conforme tenham sido colhidas a maior parte no 1º semestre ou no 2º semestre. 

    c) Devido às características próprias das variedades, condições climáticas locais e finalidade a que se destina o produto colhido, existe grande variação das épocas de colheita. Sendo assim, para se obter a quantidade produzida das culturas temporárias de longa duração, cujos ciclos vegetativos ultrapassam a doze meses, como a cana-de-açúcar e a mandioca, com períodos de colheita prolongados, são computadas as colheitas realizadas dentro de cada ano civil, isto é, as quantidades produzidas, mês a mês, de janeiro a dezembro. 

    d) Pelas mesmas razões, produtos agrícolas de culturas permanentes, como a banana, o coco-da-baía e a laranja, que possuem período de colheita prolongado, necessitam de mecanismo de coleta semelhante ao adotado para os produtos cana-de-açúcar e mandioca. Considera-se, portanto, como quantidade produzida, o conjunto das quantidades colhidas, mês a mês, de janeiro a dezembro. 

    e) Para produtos agrícolas de cultura permanente como o algodão arbóreo e o sisal, cujas áreas cultivadas com pés em produção podem, no todo ou em parte, originar colheitas na safra considerada, há necessidade de um acompanhamento ano a ano para verificação da área efetivamente destinada à colheita, visto que essas culturas estão sujeitas a grande variação na área a ser colhida, notadamente por razões de ordem econômica. 

    f) No caso de produto agrícola cujo período de colheita normalmente ultrapassa o ano civil, para efeito de estimativa da produção, considera-se o total, no ano civil em que for registrada a maior parte da quantidade produzida. Exemplificando: o trigo, que é colhido em algumas regiões do sul do País, de outubro à primeira quinzena de janeiro do ano seguinte; a uva, colhida de fins de dezembro a março; o cacau que apresenta na Bahia duas safras ao ano (a temporã, colhida de maio a setembro; e a principal, de outubro a março).

    A crítica dos preços consiste de uma análise dos preços médios unitários por produto e por Unidade da Federação, e, para tal fim, são emitidos relatórios que apresentam a distribuição do conjunto dos preços, com suas medidas de tendência centrais (média, moda, mediana), pontos soltos, pontos extremos e percentis. A partir desta análise são criados intervalos de aceitação dos preços. Numa fase seguinte, denominada correção automática, os preços são corrigidos desde que estejam fora do intervalo de aceitação, sendo substituídos automaticamente pelo limite inferior quando menores, e pelo limite superior quando maiores.
    Técnica de coleta:
    PAPI - Entrevista pessoal com questionário em papel

    Temas

    Temas e subtemas
    Estatísticas econômicas setoriais, Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura
    Principais variáveis
    Áreas plantada e colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção dos principais produtos das lavouras temporárias:

    Abacaxi, Algodão herbáceo (em caroço), Alho, Amendoim (em casca), Amendoim (em casca) 1ª safra, Amendoim (em casca) 2ª safra, Arroz (em casca), Aveia (em grão), Batata-doce, Batata-inglesa, Batata-inglesa 1ª safra, Batata-inglesa 2ª safra, Batata-inglesa 3ª safra, Cana-de-açúcar, Cebola, Centeio (em grão), Cevada (em grão), Ervilha (em grão), Fava (em grão), Feijão (em grão), Feijão (em grão) 1ª safra, Feijão (em grão) 2ª safra, Feijão (em grão) 3ª safra, Fumo (em folha), Girassol (em grão), Juta (fibra), Linho (semente), Malva (fibra), Mamona (baga), Mandioca, Melancia, Melão, Milho (em grão), Milho (em grão) 1ª safra, Milho (em grão) 2ª safra, Rami (fibra), Soja (em grão), Sorgo granífero (em grão), Tomate, Trigo (em grão) e Triticale (em grão).

    Áreas destinadas à colheita e colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção dos principais produtos das lavouras permanentes:

    Abacate, Algodão arbóreo (em caroço), Azeitona, Banana (cacho), Borracha (látex coagulado), Cacau (em amêndoa), Café (em grão), Caqui, Castanha-de-caju, Chá-da-índia (folha verde), Coco-da-baía, Dendê (cacho de coco), Erva-mate (folha verde), Figo, Goiaba, Guaraná (semente), Laranja, Limão, Maçã, Mamão, Manga, Maracujá, Marmelo, Noz (fruto seco), Palmito, Pera, Pêssego, Pimenta-do-reino, Sisal ou Agave (fibra), Tangerina, Tungue (fruto seco), Urucum (semente) e Uva.

    Unidades de informação

    .

    Períodos de referência

    Disseminação

    Nível de divulgação
    Os resultados são divulgados em nível Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Mesorregiões, Microrregiões Geográficas e Municípios.

    Instrumentos de coleta

    Histórico

    Esta pesquisa iniciou-se no Ministério da Agricultura em 1938. As informações eram levantadas pelos Agentes de Coleta do IBGE, cabendo ao Ministério da Agricultura a elaboração dos questionários, a apuração, a crítica e divulgação dos resultados. Em 17/01/74, pelo Decreto nº 73.482, o IBGE passou a responsabilizar-se por todas as fases da pesquisa. As informações relativas ao ano de 1971 e 1972 não estão disponíveis por não terem sido divulgadas pelo Ministério da Agricultura.

    Saiba mais

    https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/PA

    Calendário


    Divulgações anteriores

    Operação estatísticaData da divulgação
    Pesquisa Agrícola Municipal (PAM) 2017
    Período de referência: 2017
    13/09/2018
    Produção Agrícola Municipal
    Período de referência: 2016
    21/09/2017

    Material de apoio

    Nenhum material de apoio cadastrado para esse item

    Erramos

    • Revisão de dados na pesquisa Produção Agrícola Municipal 2015

      Data de publicação: 13/09/2018 01:09

      Descrição:

      Alteração de dados agrícolas municipais nos estados de Alagoas, Bahia, Paraná e Pernambuco.

      Ações: Atualização das variáveis de área plantada e/ou destinada a colheita, área colhida, rendimento médio, produção e valor de produção.

    • Alteração no valor da produção da cana-de-açúcar no município de Juazeiro - BA - PAM 2014

      Data de publicação: 13/03/2018 01:03

      Descrição: Alteração no preço da tonelada de cana-de-açúcar, que foi divulgada a R$ 463,00 por tonelada. O correto é R$ 60,00 por tonelada. Com isso, o valor da produção de cana-de-açúcar do município de Juazeiro na Bahia caiu de 652.338 mil reais para 84.536 mil reais.

      Ações: O arquivo foi corrigido e substituído na base de dados do SIDRA e BME.

    • Erro de inversões de estado para município de mesmo nome na Pesquisa Agrícola Municipal 2015

      Data de publicação: 14/10/2016 01:10

      Descrição: Tabela 9 café (em grão ) Total - 2015, na seleção dos 20 municípios com as maiores produções, o município Boa Esperança é de MG e não do ES como foi publicado.

      Ações: A tabela e o respectivo textos foram substituídos.

    • Correção da apresentação da Produção Agrícola Municipal, no material de apoio da sala de imprensa

      Data de publicação: 23/09/2016 03:09

      Descrição: Devido a erro de digitação, nos slides 2 e 5, ao invés de valores de produção da ordem de milhões de reais, o correto são os valores de produção da ordem de bilhões de reais.

      Ações: A apresentação foi substituída.