Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

English Español
  Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC/IPCA

IPCA de julho teve variação de 0,20%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA do mês de julho teve variação de 0,20%, superior ao resultado de junho (-0,15%) em 0,35 ponto percentual. Com o resultado de julho, o IPCA acumulou 6,85% no ano, acima do percentual de 4,17% relativo a igual período de 2002. Nos últimos doze meses, o índice situou-se em 15,43%, resultado inferior aos doze meses imediatamente anteriores (16,57%). Em julho de 2002, o IPCA teve variação de 1,19%.

Os produtos não alimentícios aumentaram 0,47% e ficaram acima do resultado de junho(-0,09%). Telefone e energia, que juntos tiveram impacto de 0,36 ponto percentual no índice, foram os principais itens responsáveis pela alta do IPCA de junho para julho. A conta de telefone fixo, que ficou em média 9,03% mais cara com o reajuste ocorrido em todas as regiões, teve a maior contribuição individual no índice (0,27 ponto percentual). A energia elétrica, cujo aumento médio foi de 2,06% nas onze regiões, contribuiu com 0,09 ponto e refletiu, sobretudo, o reajuste ocorrido em São Paulo.

Os preços da gasolina, álcool e alimentos, por outro lado, continuaram caindo. A gasolina, com variação de -2,74%, teve queda menos intensa do que a observada em junho (-4.94%). Embora expressiva, a queda no álcool também foi menor: de -12,14% em junho passou para -10,28% em julho. Ainda assim, álcool e gasolina tiveram as maiores contribuições individuais negativas no índice do mês: -0,11 ponto percentual cada e, juntos, somaram -0,22.

Nos alimentos, a queda foi mais significativa do que no mês anterior: de -0,34% em junho passou para -0,67% em julho. A maioria dos produtos apresentou variação negativa, incluindo o arroz, que da alta de 6,20% de junho passou para -0,15%. Itens importantes como pão francês (-2,59%) e óleo de soja (-1,89%) também apresentaram preços em queda, mas as maiores variações negativas foram da batata-inglesa (-21,14%), cebola (-14,33%), feijão carioca (-13,17%), tomate (-9,56%) e açúcar cristal (-8,98%). Entre os produtos que tiveram alta de um mês para o outro, o principal destaque foi a cerveja, que passou de 1,33% para 5,46%, seguida de refrigerantes (de 0,42% para 1,09%), carnes (de -0,95% para 0,73%) e ovos (de -1,80% para 0,20%).

Entre as regiões pesquisadas, o maior índice registrado foi de Belo Horizonte (0,45%), onde alguns itens como condomínio (2,82%) e vestuário (0,93%) tiveram variações superiores à média. A menor queda ficou com Fortaleza (-0,05%), único índice com variação negativa.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte. Abrange nove regiões metropolitanas do país, além do município de Goiânia e de Brasília. Para cálculo do IPCA de julho foram comparados os preços coletados no período de 28 de junho a 28 de julho (referência) com os preços vigentes no período de 30 de maio a 27 de junho (base).

A tabela a seguir contém os índices regionais nos dois últimos meses e as variações acumuladas no ano.

Região Variação (%)
Junho Julho Acumulada no ano
Belo Horizonte -0,08 0,45 8,57
Goiânia -0,15 0,37 7,21
Salvador 0,36 0,34 8,18
Curitiba -0,23 0,29 5,58
São Paulo -0,15 0,26 6,14
Brasília -0,71 0,25 6,53
Belém -0,36 0,08 5,67
Rio de Janeiro -0,03 0,02 7,53
Recife -0,27 0,01 7,72
Porto Alegre -0,36 0,00 7,00
Fortaleza -0,22 -0,05 7,43
Brasil -0,15 0,20 6,85

INPC DE JULHO TEVE VARIAÇÃO DE 0,04%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC apresentou variação de 0,04% em julho, resultado superior à taxa de junho, quando a variação foi negativa (-0,06%). Em sete meses, o INPC acumula taxa de 7,88%, acima do percentual de 4,61% relativo a igual período de 2002. Nos últimos doze meses, o índice situou-se em 18,32%, resultado inferior aos doze meses imediatamente anteriores (19,64%). Em julho de 2002, o INPC teve variação de 1,15%.

Em julho, os preços dos alimentos caíram 0,91%, mais do que em junho, quando caíram 0,51%. Os não alimentícios passaram de 0,15% para 0,48%.

O maior índice regional foi registrado em Goiânia (0,42%). Já as menores taxas, foram registradas em Recife e Fortaleza, ambas com -0,28%.

O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 08 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange nove regiões metropolitanas do país, além do município de Goiânia e de Brasília. Para cálculo do INPC de julho foram comparados os preços coletados no período de 28 de junho a 28 de julho (referência) com os preços vigentes no período de 30 de maio a 27 de junho (base).

A tabela a seguir contém os índices regionais nos dois últimos meses e as variações acumuladas no ano.

Região Variação (%)
Junho Julho Acumulada no ano
Goiânia 0,03 0,42 7,95
Salvador 0,35 0,19 9,11
Curitiba -0,15 0,19 6,07
São Paulo 0,02 0,17 7,30
Brasília -0,46 0,17 8,78
Belo Horizonte -0,22 0,07 9,77
Rio de Janeiro 0,09 -0,05 7,80
Belém -0,48 -0,19 5,32
Porto Alegre -0,30 -0,22 7,64
Recife -0,16 -0,28 9,36
Fortaleza -0,19 -0,28 7,65
Brasil -0,06 0,04 7,88

Comunicação Social
8 de agosto de 2003




A Instituição | Locais de Atendimento | Estatísticas do Site | Prestação de Contas | Editais e Licitações